Terceira Guerra Mundial? China descarta cenário e apela à chegada de acordo de paz entre Kiev e Moscovo

De acordo com o ministro dos Negócios Estrangeiros, deve ser evitado o agravamento da escalada de tensões argumentando que as consequências vão afetar não só o  bloco europeu como também o resto do mundo.

O governo chinês descarta a possibilidade de o conflito armado na Ucrânia desencadear uma Terceira Guerra Mundial, frisando a necessidade e importância de o Kremlin e o governo ucraniano chegarem a um acordo diplomático.

Durante uma conferência de imprensa, esta terça-feira, o ministro dos Negócios Estrangeiros Wang Wenbin garantiu que ninguém, incluindo a China, “tem interesse numa Terceira Guerra Mundial”, afirmando ser “necessário promover e apoiar o processo das conversações de paz” entra Moscovo e Kiev.

De acordo com Wenbin, devem ser tido em conta os esforços para limitar a escalada do conflito armado na Ucrânia de forma a evitar o agravamento de possíveis consequências negativas que dali possam resultar e que possam afetar não só o  bloco europeu como também o resto do mundo.

“Esperamos que todas as partes envolvidas mostrem tranquilidade e evitem a escalada”, concluiu o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros.

A guerra na Ucrânia começou a 24 de fevereiro quando o presidente russo, Vladimir Putin, anunciou uma operação militar especial. Desde que começou a guerra foram aplicados cinco pacotes de salões contra a Rússia, esperando uma sexta nos próximos dias. As Nações Unidas estimam que a guerra possa gerar 8,3 milhões de refugiados.

Recomendadas

Ucrânia: Macron e Scholz pedem a Putin libertação de 2.500 militares de Azovstal

O presidente francês, Emmanuel Macron, e o chanceler alemão, Olaf Scholz, pediram este sábado ao presidente russo Vladimir Putin para libertar 2.500 combatentes ucranianos que estavam na fábrica de aço Azovstal, em Mariupol, e foram feitos prisioneiros pelos russos.

Europa devia olhar para África para reduzir dependência do gás russo

“A Europa na minha opinião devia olhar para áfrica. A África tem imenso gás”, disse o presidente do Banco Africano de Desenvolvimento.

Rússia testa míssil hipersónico que Putin considera “invencível”

O míssil Zircon foi disparado da fragata Almirante Gorshkov no Mar de Barents contra um alvo nas águas árticas do Mar Branco, segundo informações avançadas pelo Ministério da Defesa russo num comunicado citado pela agência de notícias France Presse (AFP).
Comentários