Tesla compra Bitcoin em equivalente a 1,5 mil milhões de dólares

Na semana passada, vimos a Tesla anunciar a compra de 1,5 mil milhões de dólares em Bitcoin e que vai passar a aceitar pagamentos com esta criptomoeda, sendo a primeira grande fabricante de automóveis a aceitar este método de pagamento.

 

Nada a que a Tesla já não nos tenha habituado no que toca a singularidades. 2020 foi o melhor ano de sempre da empresa, com as ações a valorizarem mais de 800% em 12 meses e uma produção de perto de meio milhão de veículos. Saiba como pode negociar esta e outras ações norte-americanas com 0% de comissões.

Estaremos perante uma simbiose? Desde o anúncio da Tesla, a Bitcoin valorizou dos 43 mil para os 49 mil dólares, o seu máximo histórico. Elon Musk, CEO da Tesla, afirmou numa conversa na rede social Clubhouse que acredita que a Bitcoin é algo muito positivo e que deve ser adotada por mais empresas. Quem parece ter dado ouvidos a Musk foi a Uber, que dois dias depois destas afirmações anunciou que também vai passar a aceitar Bitcoin como método de pagamento na sua plataforma.

Mas desengane-se quem pensa que a Tesla foi pioneira neste assunto; foi a Paypal a primeira grande empresa a aceitar Bitcoin, tendo anunciado no início deste ano que vai passar a aceitar a famosa criptomoeda nas suas transações. O facto de várias grandes empresas passarem a aceitar Bitcoin como método de pagamento transmite mais credibilidade e confiança à criptomoeda, ficando mais difícil para os governos intervirem no funcionamento da moeda.

Fique a par da atualidade no mercado de criptomoedas – consulte as notícias da XTB em tempo real.

Quem mais ganhou com estas novidades foram os investidores de retalho. Em março do ano passado, uma moeda Bitcoin custava apenas 7 mil dólares; hoje, está perto dos 50 mil. A escalada continua se as grandes empresas continuarem a adotar este método de pagamento – a JP Morgan prevê que a Bitcoin possa chegar aos 150 mil dólares em pouco tempo, se as empresas assim o fizerem.

O segundo maior beneficiário desta adoção foi, claramente, a Tesla: as ações valorizaram 3%, no dia do anúncio, e uma vez que a Bitcoin também valorizou mais de 20%, os 1,5 mil milhões de dólares de Bitcoin igualmente beneficiaram. Talvez a Bitcoin esteja para ficar; na realidade, esta criptomoeda já circula no mercado desde 2011 e 10 anos depois, está mais sólida que nunca. Aproveite esta e outras oportunidades ao negociar com a XTB.

Não nos esqueçamos que Elon Musk já teve problemas com os seus tweets que movimentaram o mercado no passado. No entanto, os tweets sobre criptomoedas não estão a levantar problemas com a Comissão de Valores Mobiliários dos Estados Unidos (Securities and Exchange Commission – SEC).

Em 2018, a SEC acusou Musk de fraude devido aos tweets onde este afirmava que ia tornar a empresa privada ao preço de 420 dólares por ação. Musk, finalmente, fez um acordo com a SEC e foi forçado a desistir da sua função como presidente do conselho da empresa e pagar uma multa de 20 milhões de dólares, além de outra multa, no mesmo valor, para a sua própria empresa.

Parece ser diferente desta vez, uma vez que o CEO da Tesla tem sido muito público em relação às criptomoedas e ninguém da entidade reguladora o contactou. É bastante evidente que tem existido um maior interesse nas criptomoedas e empresas como Tesla, PayPal e Uber estão a ser as pioneiras no que toca a aceitar a Bitcoin como método de pagamento.

Será que a tendência é para manter?

 

 

Este conteúdo patrocinado foi produzido em colaboração com a XTB.

Recomendadas

A Mobilidade elétrica acelera a descarbonização das empresas

Na sua definição mais simples, descarbonizar significa “tirar carbono a”. E no caso da energia, significa que cada vez mais, queremos trocar as energias fósseis, que emitem gases de efeito estufa, por mais energias verdes, renováveis.

Euribor em máximos de uma década

O que pode fazer para cobrir a subida dos juros do seu empréstimo à habitação?

Mobilidade Sustentável: conheça a aposta da Schindler

Com a missão de ser cada vez mais sustentável, a Schindler estabeleceu para o ano de 2030 uma redução de 50% nas emissões de gases com efeito de estufa das suas atividades, com base nos dados de 2020.
Comentários