Tesla já começou a cortar nos postos de trabalho

Publicações do LinkedIn mostram que a Tesla começou a cortar na sua força de trabalho, que era de 100.000 funcionários no final de 2021.

A Tesla começou a cortar nos postos de trabalho depois do CEO Elon Musk ter anunciado no início deste mês que planeava cortar 10% da equipa.

Na manhã de quarta-feira, o “Business Insider” encontrou 11 publicações no LinkedIn de funcionários da Tesla que disseram ter sido demitidos.

As publicações do LinkedIn mostram que a Tesla começou a cortar na sua força de trabalho, que era de 100.000 funcionários no final de 2021. As demissões parecem ter começado na semana passada, uma vez que nove das publicações foram divulgadas esta semana, enquanto duas foram publicadas no final da semana passada.

Os posts do LinkedIn vieram de várias pessoas que ocupavam diferentes cargos na empresa, incluindo um líder de projeto, um responsável de animação CGI, instrutores de equipa e um gerente de armazém regional. Os funcionários despedidos pareciam ter uma vasta experiência na empresa.

“Estou triste por ir”, escreveu o responsável pela animação CGI, acrescentando: “Eu realmente gostei do meu trabalho e estou orgulhoso pelo que produzi”.

Os cortes de empregos também afetaram cargos seniores. Christopher Bousigues, gerente da Tesla em Cingapura, anunciou no LinkedIn no fim de semana passado que foi demitido.

A Tesla não é a única empresa a cortar nos postos de trabalho. A Netflix anunciou em maio que ia despedir cerca de 150 funcionários. Grandes empresas, incluindo Amazon, Meta e Microsoft, desaceleraram ou congelaram as contratações.

Relacionadas

EUA tem mais de 750 reclamações dos carros da Tesla

A Administração Nacional de Segurança no Tráfego Rodoviário dos EUA admite estar a analisar veículos equipados com recursos automatizados. Já em fevereiro a agência disse estar a investigar os Modelos 3 e Y da Tesla.

Elon Musk quer cortar 10% dos postos de trabalho na Tesla

O empresário disse internamente que tem um “muito mau pressentimento” sobre a evolução da economia.
Recomendadas

Mario Draghi deixa cimeira da NATO para tentar resolver tensões no governo italiano

O primeiro-ministro italiano deixou a cimeira da NATO em Madrid para regressar a Roma e presidir quinta-feira a uma reunião do Conselho de Ministros em pleno clima de tensão política.

Canábis: estudo revela riscos de consumo recreativo

Causa sérios riscos de hospitalização por problemas físicos e mentais, pelo que “não é tão positivo e seguro como se possa pensar”, diz o autor do estudo, professor assistente e investigador na Universidade de Toronto.

CEO deixa empresa de 65 mil milhões para ir para a “praia e não fazer nada”

Formica, que está no Reino Unido há quase três décadas, disse em entrevista que a sua saída se deve a “motivos pessoais”, incluindo o desejo de estar mais perto dos pais já idosos. Planeia voltar para a Austrália, o seu país natal.
Comentários