Tesouro aumenta oferta de obrigações para o retalho para 1.300 milhões de euros

O IGCP comunicou esta terça-feira o aumento do valor da emissão de Obrigações do Tesouro de Rendimento Variável para mais do dobro do montante inicial.

D.R.

A Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública, o IGCP, aumentou a oferta de Obrigações do Tesouro de Rendimento Variável (OTRV) para mais do dobro do montante inicialmente lançado. A oferta do instrumento do Estado para aforradores particulares é agora de 1.300 milhões de euros, em comparação com os 500 milhões de euros que a agência previa há menos de duas semanas.

“Informa-se que o Conselho de Administração do IGCP, E.P.E. decidiu aumentar o valor nominal global da emissão de Obrigações do Tesouro de Rendimento Variável denominada “OTRV DEZEMBRO 2022” para 1.300.000.000,00 euros (mil e trezentos milhões de euros)”, explicou a agência em comunicado, acrescentando que a possibilidade estava já prevista.

Esta é a sexta emissão emissão de OTRV, sendo que estas têm maturidade em dezembro de 2022. O juro é pago semestralmente a 5 de junho e 5 de dezembro de cada ano e é calculado a uma taxa de juro variável e igual à Euribor a 6 meses acrescida de 1,1%, segundo o IGCP.

No entanto, é a menos rentável de sempre e, pela primeira vez, a Deco desaconselha a subscrição, como explicou em entrevista ao Jornal Económico. “Não recomendamos a subscrição. Aliás, é a primeira emissão de OTRV que não recomendamos”, explicou o economista da Deco Proteste Investe, António Ribeiro. “É a sexta e o rendimento tem vindo sempre a decrescer: é bastante baixo e proporciona um rendimento líquido de 0,8%”.

As OTRV foram criadas pelo Estado em março de 2016, altura em que a taxa de juro bruta era de 2,2%, tendo caído em agosto desse ano para 2,05% e em novembro para 2%. Este ano, em abril, o IGCP oferecia 1,9% e em julho 1,6%. Ainda assim, em todas as anteriores emissões a taxa de juro bruta foi superior à da nova emissão.

“Depois há outro fator: a subscrição destes instrumentos é paga e as comissões dependem do preçário de cada banco”, lembrou o economista. A rentabilidade das obrigações é medida retirando o valor dos impostos (28%) e das comissões, que são estabelecidas pela instituição financeira e fixas, o que significa que acaba por ser, proporcionalmente, mais caro investir menos.

Ainda assim, a subscrição é possível até dia 28 de novembro. O mínimo de subscrição por investidor, referente a uma OTRV, é de mil euros, enquanto o máximo é de um milhão de euros, ou mil OTRV. As ordens têm de ser transmitidas em múltiplos de mil euros e subscritas junto de uma instituição de crédito.

Relacionadas

Produtos de poupança do Estado: acabou o El Dorado

É lançada esta quarta-feira a sexta emissão de Obrigações do Tesouro de Rendimento Variável, a primeira que a Deco não recomenda. Segundo as contas da associação, nenhum dos produtos oferecidos neste momento pelo Estado é aconselhável.

Tesouro espera acabar o ano com mais de cinco mil milhões de euros dos investidores de retalho

Portugal vai ao mercado esta semana para emitir até 1.500 milhões de euros, através de dois leilões de Bilhetes do Tesouro a seis meses e a um ano.
Recomendadas

Dow, S&P 500 e Nasdaq na ‘linha de água’ em dia de resultados importantes

Os três principais índices da bolsa nova-iorquina arrancaram a sessão tímidos esta quarta-feira, que ainda reserva resultados de algumas das cotadas. A ajudar: o presidente da Fed, Jerome Powell, deu sinais de um abrandamento da inflação, o que poderá sinalizar uma mudança na política monetária.

Bolsa da Turquia suspensa pela primeira vez em 24 anos

O sismo que atingiu İzmit, a 90 quilómetros de Istambul, em 1999, levou ao encerramento da bolsa turca durante uma semana.

Títulos de dívida pública desvalorizaram-se 35,4 mil milhões de euros em 2022, destaca BdP

“Um dos destaques do ano de 2022 foi a evolução distinta das cotações de ações e de títulos de dívida pública. Por um lado, assistiu-se à desvalorização dos títulos de dívida pública nacional em 35.400 milhões de euros. Por outro, as ações cotadas nacionais valorizaram-se 2.500 milhões de euros”, avança o banco central.
Comentários