Teste rápido também é aceite para aceder a atividades ou estabelecimentos até 2 de janeiro

Além do teste PCR e do antigénio, também vai ser aceite o autoteste realizado no local mediante supervisão, segundo o ministério da Saúde.

O teste rápido também vai ser aceite nas próximas duas semanas para aceder a atividades ou estabelecimentos, segundo o ministério da Saúde.

Desta forma até 2 de janeiro são aceites três tipos de teste negativo para aceder a atividades ou estabelecimentos:

  • Comprovativo de teste PCR, com uma antecedência de 72 horas;
  • Comprovativo de teste rápido de antigénio (TRAg), com uma antecedência de 48 horas;
  • Até ao dia 2 de janeiro, autoteste realizado no local, medicante supervisão.

“Os três tipos de testes referidos serão, pois, admitidos, nos termos das decisões tomadas para o período de contenção de contactos, no acesso a estabelecimentos turísticos ou de alojamento local e a eventos de qualquer natureza (com exceção de celebrações religiosas)”, explica a tutela de Marta Temido.

Estes três testes também vão ser aceites nos “dias 24, 25, 30, 31 de dezembro e 1 de janeiro, no acesso a restaurantes e estabelecimentos de jogos de fortuna ou azar ou celebrações autorizadas de Ano Novo”.

“Estas alternativas visam diversificar as opções disponíveis ao alcance da população num momento excecional e de elevada procura”, explica o ministério da Saúde.

 

Recomendadas

OE2023: PAN critica “rumo de desvalorização salarial” da função pública

A porta-voz do PAN criticou hoje a proposta de aumentos salariais para a função pública, apontando um “rumo de desvalorização salarial” e alertando que os funcionários públicos “viverão com menos recursos” no próximo ano.

OE2023: Iniciativa Liberal vai insistir no desagravamento de vários impostos

O líder da Iniciativa Liberal (IL) disse hoje, em Coimbra, que o partido vai apresentar cerca de uma dúzia de propostas de alteração ao Orçamento de Estado para 2023, que visam o desagravamento de vários impostos.

OE2023: “É insano pretender que a política orçamental seja a salvadora de todos”, diz coordenador da UTAO

Em entrevista à Lusa, Rui Nuno Baleiras, coordenador da Unidade Técnica de Apoio Orçamental (UTAO), defende que a política orçamental não pode anular o efeito da política monetária, sob pena de agravar as condições futuras.
Comentários