PremiumTheramex com subida de 300% nos custos pela crise dos contentores

Farmacêutica britânica não quis comprometer distribuição dos medicamentos devido à crise na cadeia de abastecimento e optou pelo transporte aéreo dos fármacos em detrimento do marítimo.

A farmacêutica britânica Theramex, que encetou um plano de expansão para Portugal em plena pandemia, alerta que a crise na cadeia de abastecimento está a ter impacto nas contas do sector, porque as empresas não podem arriscar que os medicamentos fiquem presos em contentores nos portos ou em navios parados devido a surtos.

“Optámos pelo transporte aéreo, porque a diferença de valor já não é assim tão grande. Estamos a trazer a mercadoria de avião com 300% mais custo de abastecimento”, disse ao Jornal Económico (JE) o diretor geral da Theramex em Portugal e Espanha. “A subida do transporte marítimo foi de entre os 100% e os 150%, o que tem um impacto direto no custo de todas as matérias-primas, que normalmente vêm da Ásia. O impacto não foi só na quantidade das mercadorias como nos preços dos fabricantes, sendo que nas farmacêuticas os valores dos medicamentos que temos estão praticamente todos regulados”, explica Javier Carpintero.

 

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Cortiça da Amorim utilizada nos novos veículos 100% elétricos do Grupo Renault

“A imperiosa necessidade de descarbonizar a economia torna a cortiça um material indispensável nesta urgente mudança de paradigma. Os infindáveis atributos da cortiça estão ao dispor de um Planeta mais sustentável”, defende António Rios de Amorim.

Renting, Factoring e Leasing Imobiliário crescem dois dígitos até setembro

O total do sector significou 30,5 mil milhões de euros, 23,8% acima dos cerca de 24,7 mil milhões dos três trimestres do ano passado e do valor similar de 2019. O maior impulso veio do confirming (serviço de gestão de pagamentos devidos aos fornecedores, permitindo ao cliente do confirming libertar capital para outras áreas).

Respostas rápidas. Como vai funcionar a plataforma de cessação de contratos com as operadoras de comunicações?

Todos os operadores de comunicações eletrónicas ficam sujeitos à nova plataforma, que surgiu com o propósito de fazer valer os direitos dos consumidores, segundo pode ler-se em “Diário da República”.
Comentários