Theresa May pondera demitir-se antes das eleições de 2022

Fontes próximas da primeira-ministra britânica, Theresa May, afirmam que a líder do Partido Conservador pondera deixar o cargo ainda antes das próximas eleições legislativas no Reino Unido.

Parliament TV handout via REUTERS

A primeira-ministra do Reino Unido, Theresa May, terá dito esta quarta-feira que tenciona deixar o cargo antes das eleições legislativas de 2022. A informação foi avançada pelo deputado Alec Shelbrooke do Partido Conservador e confirmada por outros parlamentares, numa altura em que a líder britânica enfrenta uma moção de censura interna.

Theresa May “disse que não tinha a intenção de conduzir [o Partido Conservador] nas eleições de 2022”, revelou Alec Shelbrooke, à imprensa britânica. Esta manhã, Theresa May anunciou, em conferência de imprensa, não se vai demitir, tendo em conta que uma mudança na liderança iria comprometer o processo de saída do Reino Unido da União Europeia (UE).

“O novo líder apenas tomaria posse a 21 de janeiro, a data legal para o efeito, e, por isso, com essa mudança arriscamos perder o controlo do Brexit para a oposição no Parlamento”, afirmou. “Uma mudança na liderança apenas nos dividiria mais, quando precisamos manter-nos juntos. Nada disso seria do interesse nacional”, afirmou a primeira-ministra britânica esta manhã.

A votação da moção de censura está agora a decorrer e deve terminar por volta das 20h00. O presidente do grupo parlamentar do partido na Câmara dos Comuns (comité 1922), Graham Brady, confirma que mais de 48 deputados do partido terão enviado cartas ao comité, expondo a sua contestação face à forma como a primeira-ministra britânica tem liderado as negociações do Brexit.

Recomendadas

Irão: Guarda Revolucionária ataca grupos curdos no Iraque

A poderosa Guarda Revolucionária do Irão desencadeou hoje uma onda de ataques com ‘drones’ e artilharia no norte do Iraque, visando o que Teerão diz serem bases de separatistas curdos iranianos, indicou agência noticiosa semioficial Tasnim.

António Guterres pede fim da “era da chantagem nuclear” e apela a “recuo”

O secretário-geral da ONU, António Guterres, apelou hoje ao fim da “era da chantagem nuclear”, afirmando que o uso de armas nucleares levaria a um “armageddon humanitário”, tornando necessário um “recuo” face às atuais tensões.

Ucrânia. Reino Unido sanciona organizadores de “referendos fraudulentos”

O Reino Unido anunciou hoje sanções contra 33 indivíduos ligados a “referendos fraudulentos” sobre a integração na Rússia de regiões da Ucrânia sob ocupação russa.
Comentários