Tink recebe mais 85 milhões de euros para acelerar expansão

A ronda de investimento coliderada pelo novo investidor europeu Eurazeo Growth (growth equity) e pelo investidor preexistente Dawn Capital, empresa de Venture Capital baseada em Londres. Os investidores anteriores PayPal Ventures, HMI Capital, Heartcore, ABN AMRO Ventures, Poste Italiane e BNP Paribas’ venture arm, Opera Tech Ventures reforçaram os seus investimentos na Tink. 

A Tink, plataforma europeia de open banking, anunciou esta sexta-feira que fechou uma ronda de investimento no valor de 85 milhões de euros, depois de um financiamento de 90 milhões de euros em janeiro. Em 2020, o total investido na Tink ascendeu aos 175 milhões de euros.

O financiamento tem como objetivo acelerar a expansão contínua da Tink e apoiar o desenvolvimento da sua tecnologia de iniciação de pagamentos permitindo que empresas de todos os tipos e dimensões da europa integrem soluções de iniciação de pagamento simplificadas e de baixo custo.

A ronda de investimento coliderada pelo novo investidor europeu Eurazeo Growth (growth equity) e pelo investidor preexistente Dawn Capital, empresa de Venture Capital baseada em Londres. Os investidores anteriores PayPal Ventures, HMI Capital, Heartcore, ABN AMRO Ventures, Poste Italiane e BNP Paribas’ venture arm, Opera Tech Ventures reforçaram os seus investimentos na Tink.

Atualmente, a Tink processa cerca de um milhão de transações de pagamentos por mês para clientes em cinco mercados, incluindo a Kivra que permite receber, pagar e arquivar faturas de forma digital e que é usada por cerca de quatro milhões de adultos na Suécia, a que se acrescenta a fintech de pagamentos Lydia usada por mais de 5 milhões de clientes em França.

Através de uma API, a Tink permite aos clientes o acesso a informação financeira agregada, iniciação de pagamentos, transações enriquecidas e desenvolvimento de ferramentas de gestão de finanças pessoais. A tecnologia e a conectividade da Tink alimenta serviços digitais para mais de 300 bancos e fintechs mundiais – incluindo a PayPal, NatWest, ABN AMRO, BNP Paribas, Caixa Geral de Depósitos, Nordea e SEB – e é utilizada por mais de oito mil programadores.

Em 2020, a Tink realizou três aquisições no âmbito da sua estratégia de investimento em serviços de intelligent data baseados em open banking: comprou a sueca Instantor, dando à Tink uma maior capacidade aos seus produtos de avaliação de risco de crédito desenvolvidos em função da sua conetividade bancária, adquiriu o fornecedor espanhol de agregação de contas Eurobits, reforçando significativamente a conectividade da Tink na Europa, e, por fim, comprou a plataforma de OpenWrks que trará informação financeira de contas do Reino Unidos para os clientes da Tink.

Daniel Kjellén, cofundador e CEO da Tink, disse que “apesar das dificuldades de 2020, este foi um ano de grande crescimento para a Tink”. “Desenvolvemos significativamente as nossas conexões bancárias na Europa, reforçámos a nossa cobertura de 2500 para 3400 bancos e servimos agora mais de 300 instituições financeiras líderes mundiais. Também duplicámos para 8 mil as fintechs que usam a nossa plataforma e aumentámos os colaboradores de 250 para 365 nos 13 escritórios na Europa”, sublinhou.

 

Atualmente, a Tink está presente na Suécia, Reino Unido, França, Espanha, Alemanha, Itália, Portugal, Dinamarca, Finlândia, Noruega, Bélgica, Áustria e Holanda.

Recomendadas

SAD do Sp. Braga com resultado positivo de 3,1 milhões de euros na época passada

Relativamente ao exercício financeiro que terminou a 30 de junho deste ano, que ainda não refletem a venda do passe futebolístico do defesa central David Carmo (transferência fechada para o FC Porto na ordem dos 20 milhões de euros), a SAD dos bracarenses destaca que este foi um período “pautado por múltiplos constrangimentos associados à pandemia”.

Sonaecom rasga acordo com Isabel dos Santos

“À Sonae passa a ser imputada uma participação na NOS de cerca de 36,8% do capital social e dos direitos de voto nessa sociedade”, detalha a empresa liderada por Cláudia Azevedo.

Toyota Caetano Portugal com lucros de 7,3 milhões no semestre

Em comunicado à CMVM, a Toyota Caetano Portugal diz que os resultados líquidos consolidados ascenderam a 7,3 milhões de euros, o que compara com 11,7 milhões em dezembro de 2021 e com 2,98 milhões em junho de 2021.
Comentários