Tokens e biometria põem fim à dor de cabeça das passwords e dos códigos

Mastercard mostrou em Lisboa inovações na tecnologia dos pagamentos.

Dedicado ao tema “Empowering you in the digital economy”, o Mastercard Innovation Forum trouxe a Lisboa, no passado dia 25, as últimas novidades tecnológicas para o sector dos pagamentos. De entre as principais novidades, a Mastercard dedicou especial atenção à IoT (Internet of Things), uma tecnologia que está a dar nova vida a pulseiras, anéis ou porta-chaves tornando-os ainda mais indispensáveis para o nosso dia-a-dia.

Paulo Raposo, Country Manager da Mastercard em Portugal, destaca que, «graças à IoT, todos os equipamentos podem estar ligados à internet e isso para a Mastercard significa mais equipamentos capazes de fazer compras e de as pagar. Mas é preciso construir soluções mais simples e seguras, mais intuitivas e centradas no cliente, para que a experiência de compra não tenha atritos e decorra com naturalidade. Ou seja, sem passwords e sem códigos.»

Bruno Degiovanni, Vice-Presidente para os Pagamentos Digitais da Mastercard, acrescenta que «os consumidores estão cansados das passwords e querem viver uma nova experiência, mais agradável e facilitada. E a boa notícia é que dentro de pouco tempo poderá haver um acordo no seio da indústria global de pagamentos para a criação de um standard para os pagamentos por token em toda a internet. O token é um novo patamar de segurança que vai permitir que, em cada compra, deixe de ser necessário digitar um código ou inserir uma password. Bastará, a par do token, a validação feita através de um dado biométrico, como a impressão digital, o reconhecimento facial ou a leitura da íris, por exemplo. O objectivo é que a experiência de compra seja segura e decorra sem obstáculos».

Laura Morinigo, Country Manager para a Iberia da Fitbit, que participou no MIF, destaca que «os mobile payments estão a aumentar nos wearables porque tornam a experiência do consumidor muito fácil. Em Espanha, 85% das pessoas já usam Contactless e espero que em Portugal também haja uma forte adesão. Não tenho limite de plafond com o meu smartwatch Fitbit, mas posso determinar quanto quero gastar por dia. Para pagar com o relógio não é necessário tirar nada dos bolsos, posso ir dar uma volta de bicicleta e comprar uma água; ir com as crianças ao supermercado sem problemas em carregar as compras ou tirar cartões da mala para pagar, ou mesmo ao parque de diversões com toda a comodidade e conveniência, sem qualquer bagagem. O meu relógio Fitbit está sincronizado com a minha agenda e dá-me conselhos acerca do meu bem-estar, mas também as notícias, o tempo e permite ouvir as minhas músicas.»

Inovações da Mastercard apresentadas em Lisboa

Cartão Biométrico

A área de demonstração da Mastercard começava com o cartão biométrico, que combina a tecnologia “chip” com um sensor para leitura da impressão digital, semelhante à utilizada nos smartphones e que pode ser aplicada em todos os terminais de pagamento existentes no mundo.

A informação biométrica fica embebida no cartão e em momento algum pode ser extraída desse cartão, a não ser pelo seu detentor, no momento de pagar. É um processo de autenticação forte que substitui o PIN ou a assinatura. Uma vez que o processamento dessa informação se passa exclusivamente no cartão, os comerciantes não precisam de suportes ou requisitos adicionais para efectivarem a compra. Um dos resultados mais importantes desta tecnologia, é que os comerciantes reduzem o número de transacções falsas ou recusadas por esquecimento do PIN.

M4M

O M4M é um programa para comerciantes e lojas online, no âmbito do MDES (Mastercard Digital Enablement Service).

Trata-se de um serviço para tornar mais seguro e mais rápido o checkout das compras online, através de um token criado especificamente pelo utilizador para uma determinada loja e que só funciona entre esse utilizador e essa loja. Ou seja, no caso da informação no site ficar comprometida, o token não poderá ser nem reutilizado nessa loja, nem utilizado para outros fins, noutras lojas.

Wearables

Pagar com uma jóia, um anel, um relógio ou uma pulseira de fitness? O pagamento através de wearables é já uma realidade e uma tendência que no futuro ganhará cada vez mais adeptos, com as estimativas a apontarem para mais de 50 mil milhões de dispositivos inteligentes até 2020, o que representa uma expansão massiva de dispositivos em que os pagamentos poderão ser activados. As funcionalidades de pagamento seguro podem ser adicionadas através da plataforma de tokenização MDES aos acessórios que os consumidores já estão a usar, incluindo pulseiras de ginástica, joias, roupas, relógios.

Espelho Inteligente

Uma das inovações apresentadas especialmente para o comércio foi o Espelho Inteligente (Smart Mirror), um espelho touch-screen interativo desenvolvido pela Mastercard, que proporciona uma experiência de compra multissensorial. Este equipamento recorre a tecnologia RFID (identificação por radiofrequência) e que possibilitará, a breve trecho, que os consumidores possam escolher e pagar as suas peças de vestuário a partir dos espelhos instalados nas lojas ou em showrooms. O espelho, além de reconhecer os produtos que entram no provador, criando um carrinho de compras virtual, também recomenda outros produtos à venda na loja e que podem corresponder às escolhas que o consumidor já levou para o provador, permitindo ainda chamar um assistente, escolher a iluminação, ou selecionar outros tamanhos e cores.

NuData: Comportamento biométrico

A demonstração da solução biométrica inteligente da NuData, uma empresa adquirida em 2017 pela Mastercard, permite diferenciar dois utilizadores distintos a tentarem fazer o login a um mesmo website, através dos seus inputs biométricos, identificando o utilizador autêntico do utilizador potencialmente fraudulento. Esta diferenciação é feita através do perfil que cada um dos utilizadores tem online, em aplicações móveis ou interacções com o seu smartphone e sinaliza aqueles utilizadores que representam um maior risco. Esta tecnologia determina, classifica e aprende a partir de todas as transacções móveis ou online para permitir aos comerciantes e emissores tomarem as suas decisões de aceitação ou recusa de compra, praticamente em tempo real.

 

Este conteúdo patrocinado foi produzido em colaboração com a Mastercard

Recomendadas

Respostas rápidas: é assim que pode ir para a reforma antes dos 66 anos e sete meses

Não tem 66 anos e sete meses, mas quer ir para a reforma? Há vários regimes que permitem a antecipação da pensão de velhice. O Jornal Económico explica, com base num guia do ComparaJá.

Preço médio das casas do Canadá vai custar perto de 500 mil euros até ao fim de 2023

Aumento das taxas de juro acima do previsto pelo Banco do Canadá estão a fazer com que os custos com a habitação consumam 60% das finanças das famílias, o valor mais elevado desde 1990.

Cenário económico não anula metas de descarbonização

O cenário de uma possível recessão, associada à já frágil conjuntura macroeconómica, não assusta o sector, que diz estar “bem mais preparado” do que em 2008. As fragilidades herdades da pandemia persistem, mas importa não perder o foco das metas estabelecidas.
Comentários