Tom Ford vendida à Estée Lauder. Amorim tinha 10%

O grupo Estée Lauder vai adquirir a marca Tom Ford. A operação avalia a Tom Ford em 2,8 mil milhões de dólares (2,7 mil milhões de euros). O grupo Amorim tinha 10%. Não foi revelado o encaixe para o grupo português.

1. Maria Fernanda Amorim e família – 4173 milhões de euros

O grupo Estée Lauder vai adquirir a marca Tom Ford. A operação avalia a Tom Ford em 2,8 mil milhões de dólares (2,7 mil milhões de euros). O grupo Amorim tinha 10%. Não foi revelado o encaixe para o grupo português.

A empresa francesa anunciou em comunicado a assinatura de um acordo para comprar a marca norte-americana de luxo. “A Ermenegildo Zegna Group e Marcolin S.p.A. assinaram acordos de licença de longo prazo para a Tom Ford fashion e Tom Ford eyewear (óculos), respectivamente”, revela a nota.

“A Estée Lauder Companies Inc. anunciou hoje que assinou um acordo para adquirir a marca Tom Ford, líder global em luxo. O acordo transformacional estabelecerá  uma parceria de longa data, The Estée Lauder Companies (ELC) passará a ser o único proprietário da marca Tom Ford e de toda a sua propriedade intelectual.

A administração da Estée Lauder garante a continuidade e a evolução da marca Tom Ford “como uma das marcas de luxo globais proeminentes do século XXI”.

O valor a ser pago pela empresa francesa pela aquisição é de aproximadamente 2,3 mil milhões de dólares (2,21 mil milhões de euros), líquido de um pagamento de 250 milhões de dólares (240 milhões de euros) à ELC no fecho da aquisição da Marcolin S.p.A. A ELC espera financiar essa transação com uma combinação de dinheiro, dívida e ainda 300 milhões de dólares através de pagamentos diferidos aos vendedores a partir de julho de 2025, segundo o comunicado.

“Os benefícios da ELC incluem assegurar o fluxo a caixa de longo prazo ao possuir a marca de rápido crescimento Tom Ford Beauty para lá da data da licença existente que expira em 2030 e a eliminação dos pagamentos de royalties sobre beleza quando a licença caducar, bem como novos fluxos de receita de licenciamento e outras sinergias previstas. Essas sinergias incluem supervisão criativa, maior velocidade e agilidade e oportunidades para maior penetração online”, explica o comunicado.

A ELC espera que esta transação dilua os resultados ajustados por ação (EPS) no ano fiscal de 2023 (de 0,05  a 0,15 dólares), principalmente de custos únicos relacionados com aquisição. Para o ano fiscal de 2024, prevê-se que a transação seja aproximadamente neutra em relação ao EPS diluído ajustado.

A aquisição está sujeita a certas condições, incluindo aprovações regulatórias, e deve ser concluída no primeiro semestre de 2023.

Sob o acordo, Tom Ford, fundador e CEO da Tom Ford International, continuará a atuar como visionário criativo da marca após o colsing do negócio e até o final de 2023. Domenico De Sole, presidente da Tom Ford International, permanecerá como consultor até essa mesma hora.

Recomendadas

CEO da EDP diz que Portugal tem sido “exemplo de estabilidade” nos preços para as famílias

Em declarações aos jornalistas durante uma visita a um parque solar flutuante em Singapura, o CEO da EDP disse que a evolução dos preços em Portugal, incluindo um aumento médio de cerca de 3% do valor global da fatura de eletricidade dos clientes residenciais da EDP Comercial a partir de janeiro, “é uma coisa perfeitamente estável face ao enquadramento que existe”.
Pedro Saraiva, Vice-reitor da Universidade NOVA de Lisboa

Produtividade aumentará se as empresas interagirem mais com as universidades, diz vice-reitor da NOVA

Pedro Saraiva diz que muitas empresas até produzem já com um grau razoável de inovação, mas menos de 10% o faz em parceria com universidades. E essa é a grande lacuna, que quando ultrapassada contribuirá significativamente para resolver o problema da produtividade.

Emissão obrigacionista da Sonangol é “bem vinda” para a bolsa angolana

Segundo o responsável do Departamento de Desenvolvimento de Mercado da Bodiva, Nivaldo Matias, a iniciativa da Sonangol ainda não foi dada a conhecer formalmente à instituição, contudo, a decisão da petrolífera é “bem-vinda”.
Comentários