Tomás Correia vence no Montepio

Ainda sem dados finais, o OJE sabe que a lista de Tomás Correia venceu, com cerca de 60% dos votos expressos, enquanto a lista afeta a António Godinho ficou com 20% dos votos e a de Eugénio Rosa com cerca de 15%.


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

A lista liderada por António Tomás Correia ganhou as eleições para os órgãos sociais da Associação Mutualista Montepio Geral. É o seu último mandato, segundo o próprio, e a guerra foi longa e dura para chegar até aqui. Segundo um associado dos mais antigos ouvido pelo OJE, mas que pediu anonimato, “agora até o Montepio é arma de arremesso em tentativas de tomada de poder. E na comunicação social, sem respeito por esta casa com quase dois séculos”. E é verdade que as insinuações e as tentativas de condicionar as eleições, as contratações de call centres para telefonar a tentar recolher votos usando bases de dados, as reuniões secretas, o uso de nomes sonantes, foram fator sempre presente.

Tomás Correia é acusado de ser o “dono do Montepio”. Diz um adversário de Tomás Correia que a “sensação de que manda na Associação é passada a toda a estrutura”.

A Assembleia Geral tomou todas as precauções para que tudo corresse com legitimidade e dignidade. Inclusive contratou um jurista opositor da direção para assessorar a mesa, contratou uma empresa de auditoria para certificar a votação e auditar todos os processos e, ao que se sabe, tudo correu como a lei e os estatutos determinam.

Eleito com uma maioria confortável, tendo em conta o ambiente de suspeição que os seus opositores criaram e o número de listas candidatas, Tomás Correia tem agora que cumprir o seu programa eleitoral.

A bem da Associação, espera-se que as novas regras europeias e a separação dos órgãos dirigentes da Caixa Económica e da Mutualista e a presença nos órgãos eleitos pelo método de Hondt de elementos de oposição venham trazer total transparência na gestão futura.

 

Por Vítor Norinha/OJE

Recomendadas

PAN propõe incentivos para “representação equilibrada” de género nas empresas

A deputada única do PAN, Inês de Sousa Real, propõe a criação de incentivos à “representação equilibrada” de género nas administrações das sociedades comerciais de forma a “assegurar uma quota mínima” de mulheres “superior a 40%”.

Pré-acordo na Autoeuropa prevê aumento salarial de 5,2% já em dezembro

A Comissão de Trabalhadores da Autoeuropa anunciou hoje um um pré-acordo com a administração da fábrica de automóveis de Palmela para um aumento extraordinário de 5,2% que anula o aumento de 2% previsto para 2023.

Flexdeal reforça participação na Raize para 33%. Acionistas fundadores vendem

A Flexdeal chegou a acordo com dois acionistas fundadores e membros do conselho de administração para comprar 14,1% da Raize por 775 mil euros.