Tombos da NOS e CTT pressionam ganhos da bolsa portuguesa

O PSI 20 negoceia a cair ligeiramente 0,10% para os 5.423,37 pontos, pressionado pelo tombo da NOS e CTT.

Paulo Whitaker/Reuters

O principal índice português abriu sessão esta terça-feira no ‘vermelho’, numa abertura marcada por um sentimento misto nas praças europeias. Duas horas depois da abertura, o PSI 20 negoceia praticamente inalterado, com uma quebra de apenas 0,02%, para 5.428,14 pontos, pressionado pelo tombo da NOS e dos CTT.

A NOS é a cotada que mais perde, ao registar uma desvalorização de 3,54%, para 5,430 euros. Paulo Rosa, trader da Gobulling – Banco Carregosa, explica que os títulos da cotada estão em perda depois de a Morgan Stanley ter emitido uma recomendação de downgrade e ter baixado o preço alvo dos 7 euros para os 6,40 euros. “A cotada estava em recomendação de overweight (sobreponderação dos títulos), e a recomendação agora é de equal-weight (ponderação igual), para reduzir a exposição aos títulos”, explica Paulo Rosa.

A cair destacam-se também os títulos dos CTT, que perde 1,03% para os 3,379 euros. Seguem-se a Pharol (-0,37%), a Semapa (-0,19%) e a EDP Renováveis (-0,10%).

Em sentido contrário, está a Sonae Capital, que é a cotada que mais sobe no índice. A empresa liderada por Cláudia Azevedo soma 1,70% para os 0,895 euros. Paulo Rosa indica que a contribuir para a valorização da cotada está “a recomendação de compra do Caixa BI”. O banco de investimento subiu o preço-alvo da cotada de 0,82 euros para os 1,05 euros. “Ao fim de 12 meses, isto é, até ao final de 2018, o Caixa BI acredita que o preço das ações da cotada pode atingir os 1,05 euros”, explica.

Paulo Rosa chama ainda à atenção para os ganhos do BCP, que ganha 0,79% para os 0,267 euros. “A cotada está muito perto de atingir os 27 cêntimos por ação e renovar máximos do ínicio de agosto de 2016, há cerca de um ano e meio”, sustenta o trader da Gobulling. “Tudo indica que o BCP está perto de fechar o ano em novos máximos”, acrescenta.

Em terreno positivo estão também o setor do retalho e as energéticas. A Sonae, líder do setor retalhista, sobe 0,26% para os 1,172 euros e a Jerónimo Martins valoriza 0,50% para os 15,985 euros. No setor da energia, a EDP ganha 0,48% para os 2,944 euros, a Galp Energia soma 0,06% para os 15,635 euros e a REN avança 0,57% para os 2,457 euros.

A subir estão também a Altri (0,29%) e a Navigator (0,16%).

Nas restantes praças europeias, o alemão DAX ganha 0,04%, o espanhol IBEX 35 soma 0,29%, o italiano FTSE MIB valoriza 0,25%, o holandês AEX sobe 0,31% e o britânico FTSE 100 segue a subir 0,33%. Em sentido contrário, o francês CAC 40 recua 0,02%.

“As praças europeias estão muito centradas, com pendor positivo”, afirma Paulo Rosa. “O índice Ifo (sobre a confiança dos empresários), na Alemanha, ficou ligeiramente abaixo do esperado. Os analistas esperavam que o índice se fixasse nos 117,5 pontos, mas terá ficado nos 117,2”, acrescenta, notando que o resultado deste indicador terá influência sobretudo na moeda.

Recomendadas

Wall Street regressa aos ganhos a meio da semana

A Apple destacou-se esta quarta-feira por afundar mais de 4%, na sequência de a gigante liderada por Tim Cook ter posto na gaveta o seu plano para aumentar a produção dos seus novos iPhones, mas as ações acabaram por encerrar a sessão com uma perda de pouco mais de 1%.

BCP cai 5% e arrasta bolsa de Lisboa para terreno negativo numa Europa mista

“O índice nacional esteve pressionado pela queda de 5% do BCP, numa sessão onde o setor Bancário demonstrou a pior performance na Europa”, escreveu o analista do Millennium BCP, Ramiro Loureiro, na sua análise de fecho de mercados.

CMVM publica cinco decisões de contraordenação, incluindo a coima de 75 mil euros à Orey Antunes

Na base das decisões da CMVM estão três processos por violação de deveres de atuação dos auditores. O processo contra a Orey Antunes por não ter divulgado os documentos de prestação de contas anuais e um processo por violação de deveres dos intermediários financeiros.
Comentários