Topo da agenda: o que não pode perder esta terça-feira

O último dia para entrega de propostas para a compra da Dielmar e o Conselho de Ministros extraordinário para aprovar novas medidas são alguns dos eventos em destaque esta terça-feira.

Governo reúne-se hoje para aprovar novas medidas

Perante o agravamento do estado pandémico, o Governo vai reunir-se hoje para analisar a situação com o objetivo de aprovar novas restrições para a época festiva, que poderá passar pelo encerramento dos bares e discotecas. Já o teletrabalho obrigatório pode começar mais cedo do que a data prevista – 2 de janeiro – terminando a 9 de janeiro.

Último dia para entregar propostas para a Dielmar

Hoje é o último dia para os interessados entregarem as suas propostas pela compra da Dielmar. O prazo termina as 17h00 desta terça-feira, 21 de dezembro. Os interessados têm de entregar a sua proposta por carta fechada ao administrador de insolvência, acompanhada de uma caução correspondente a 20% do preço de compra.

INE divulga síntese económica e transporte aéreo

O Instituto Nacional de Estatística (INE) divulga hoje a síntese económica de conjuntura de novembro. O INE também vai divulgar os dados de transporte aéreo relativos a outubro.

Recomendadas

Moçambique baixa receitas fiscais do gás ao fundo soberano para 40%

Moçambique deverá ser um dos maiores exportadores mundiais de gás a partir de 2024, beneficiando não só do aumento dos preços, no seguimento da invasão da Ucrânia pela Rússia, mas também pela transição energética.

PCP defende aumento do salário mínimo nacional para 850 euros em janeiro

O secretário-geral do PCP acusou o Governo de querer “retomar todos os caminhos da política de direita, fazer comprimir ainda mais os salários, facilitar a exploração, abrir espaço para os negócios privados na saúde e na educação, condicionando ou justificando as suas opções com as orientações e imposições da União Europeia e do euro”.

Respostas Rápidas: como deve investir a pensar na reforma?

Com uma estrutura demográfica cada vez mais envelhecida, as dúvidas em torno da sustentabilidade da Segurança Social no médio-prazo reforçam o papel da poupança privada no rendimento dos portugueses em reforma, pelo que importa compreender os vários instrumentos financeiros ao seu dispor.
Comentários