Topo da agenda: o que não pode perder na economia e nos mercados esta terça-feira

O evento em destaque desta terça-feira é a audição do governador de Portugal, Mário Centeno, na COF. No mesmo dia ainda se vai debater Educação no parlamento e um possível complemento solidário para idosos. O INE vai divulgar dados sobre habitação.

Mário Cruz/Lusa

O evento em destaque esta terça-feira, dia 21 de dezembro, é a audição parlamentar do governador do Banco de Portugal (BdP), Mário Centeno. O antigo ministro das Finanças volta à Assembleia da República, desta vez como governador do BdP, para responder às questões dos deputados que formam a Comissão de Orçamento e Finanças (COF).

Enquanto o PAN pediu que Mário Centeno fosse ouvido devido aos bónus pagos aos administradores do banco resultante da queda do BES, os deputados do CDS-PP e do Bloco de Esquerda dever-se-ão focar nas auditorias feitas à instituição, nomeadamente a que o supervisor bancário levou a cabo sobre o processo de resolução.

Outros eventos em destaque

  • INE vai divulgar os dados do índice de preços da habitação e das taxas de juro implícitas no crédito à habitação
  • Na Assembleia da República vai realizar-se o última reunião plenária do ano. No Parlamento, vai decorrer um debate de urgência, requerido pelo PSD, sobre Educação. O Bloco de Esquerda, PCP e PEV vão apresentar projetos lei que visa atribuir um complemento solidário para idosos.
Recomendadas

Irão: Impacto das sanções dos EUA prejudica cooperação com Portugal

Mortza Damanpak Jami destaca que as relações comerciais podem sair afetadas, mas as culturais têm-se desenvolvido, com “muitas oportunidades e muitos programas ligados à cultura”.

Respostas Rápidas: como deve investir a pensar na reforma?

Com uma estrutura demográfica cada vez mais envelhecida, as dúvidas em torno da sustentabilidade da Segurança Social no médio-prazo reforçam o papel da poupança privada no rendimento dos portugueses em reforma, pelo que importa compreender os vários instrumentos financeiros ao seu dispor.

Respostas rápidas: é assim que pode ir para a reforma antes dos 66 anos e sete meses

Não tem 66 anos e sete meses, mas quer ir para a reforma? Há vários regimes que permitem a antecipação da pensão de velhice. O Jornal Económico explica, com base num guia do ComparaJá.
Comentários