Topo da Agenda: o que não pode perder nos mercados e economia esta quinta-feira

Esta quinta-feira, o Eurostat divulga o índice de custos de trabalho no segundo trimestre. O Banco Central Europeu estará atento à evolução salarial na zona euro onde, ainda assim, não parece haver por enquanto uma atmosfera de pressão inflacionista. Por cá, esta tarde, está previsto um briefing do Conselho de Ministros.

Evento em destaque: Eurostat divulga índice de custos de trabalho no segundo trimestre

A inflação continua a subir na zona euro e igualmente preocupante é a subida do indicador subjacente, que ignora a volatilidade das categorias energética e alimentar. Este subindicador chegou aos 4,3% e adensa as preocupações com o alastramento das pressões nos preços a outros sectores, o que pode gerar efeitos de segunda ordem na inflação, à semelhança do que sucede com os salários. O BCE estará atento à evolução salarial na zona euro, onde, ainda assim, não parece haver por enquanto uma atmosfera de pressão inflacionista.

Outros eventos em foco:

  • Eurostat publica dados do Comércio Internacional em julho
  • França: Inflação em agosto
  • EUA: Vendas a retalho em agosto
Recomendadas

Leia aqui o Jornal Económico desta semana

Leia todas as edições do Jornal Económico, na plataforma JE Leitor. Aproveite as nossas ofertas para assinar o Jornal Económico. Apoie o jornalismo independente.

Topo da Agenda: O que não pode perder nos mercados e na economia esta sexta-feira

Com a confirmação de um segundo trimestre de crescimento negativo, a Reserva Federal olhará atentamente para os dados do mercado laboral, onde continua a destacar a força e rigidez observada para argumentar contra um cenário de recessão real. Caso os dados de setembro voltem a surpreender pela positiva, como em agosto, e a inflação continue a dar sinais de não abrandar, a possibilidade de subidas ainda mais expressivas do que 75 p.b. deverá ganhar força.

Patrões vão ter majoração em 50% dos custos com aumentos salariais no IRC

No âmbito do acordo de rendimentos, o Governo decidiu propor aos parceiros sociais uma majoração em 50% dos custos com a valorização salarial em IRC. Patrões têm reclamado, note-se, medidas mais transversais.
Comentários