Topo da Agenda: o que não pode perder nos mercados e na economia esta sexta-feira

Nota do dia para a divulgação das estimativas da inflação em julho, sendo que Portugal registou uma aceleração de 8,6%.

Evento em destaque: INE e Eurostat lançam estimativas rápidas da inflação em julho

A economia portuguesa registou uma pressão nos preços abaixo da média da zona euro durante largos meses, mas a última leitura superou já os 8,1% da moeda única, com Portugal a acelerar para 8,6%. Além disso, a inflação subjacente portuguesa continua a aumentar, mostrando um claro alastramento do fenómeno a sectores menos diretamente expostos a bens energéticos e alimentares, os principais motores da inflação elevada na Europa. Esta deverá também ser a última leitura considerada para a fixação do coeficiente de atualização de rendas, visto que a leitura definitiva de agosto não estará publicada antes de 31 de agosto.

Outros eventos em foco:

  • INE publica Estimativas Mensais de Emprego e Desemprego de maio
  • INE divulga Índices de Volume de Negócios, Emprego, Remunerações e Horas Trabalhadas no Comércio a Retalho em junho
  • INE divulga Estimativa Rápida do PIB no 2º Trimestre
  • INE publica Estimativa Rápida da Atividade Turística de junho
  • França: Taxa de inflação em julho
  • Espanha: Taxa de inflação em julho
  • Resultados trimestrais: Semapa (Portugal); ExxonMobil, Procter&Gamble, Chevron, AstraZeneca (EUA);
  • Hermes, BNP Paribas, Vinci (França); BBVA, Caixabank (Espanha)
Recomendadas

Foram detidos 119 suspeitos por crime florestal este ano

O ministro da Administração Interna afirma que, devido às investigações em curso, o número de detenções pode subir.

Aramco: petrolífera saudita com lucro recorde de 48,4 mil milhões

Subida dos preços do petróleo com a guerra na Ucrânia e a elevada procura pós-pandemia levam lucros da petrolífera saudita a disparar 90% no segundo trimestre.

PremiumInflação nacional em novo máximo, enquanto abranda nos EUA e Alemanha

A média dos últimos onze meses, sem a parte habitacional, ultrapassa já os 5% e agosto dificilmente contraria esta tendência.
Comentários