Topo da Agenda: o que não pode perder nos mercados e na economia esta quarta-feira

Será dada muita atenção ao discurso de Jerome Powell, presidente da Fed, após a reunião desta quarta-feira, com os mercados a procurar sinais de alguma previsibilidade nos próximos meses.

Evento em destaque: Reserva Federal prepara-se para subir juros novamente

Após um ligeiro alívio em abril, a inflação nos EUA voltou a acelerar inesperadamente em maio, chegando a 8,6% e contrariando as expectativas do mercado de uma descida ou manutenção nos 8,3%. Perante esta contínua pressão preços, mesmo com a subida acumulada de 75 p.b. nos juros desde março, voltam a estar na discussão aumentos acima de 50 pontos, especialmente dada a vitalidade revelada pelo mercado laboral, onde permanecem indícios de uma rigidez assinalável. Será dada muita atenção ao discurso de Jerome Powell, presidente da Fed, após a reunião de quarta-feira, com os mercados a procurar sinais de alguma previsibilidade nos próximos meses.

Outros eventos em foco:

  • BdP publica Boletim Económico de junho
  • INE publica dados da Atividade Turística em abril
  • INE divulga Taxas de Juro Implícitas no Crédito à Habitação em maio
  • Eurostat publica dados do Comércio Internacional em abril
  • França: Inflação em maio
  • EUA: Vendas a retalho em maio
  • China: Produção industrial em maio
  • Resultados trimestrais: Adobe (EUA)
Recomendadas

Calendário do PRR é para manter

Eventual adiamento do calendário do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR), sugerido há poucas semanas por Marcelo Rebelo de Sousa e Mariana Vieira da Silva, será de muito difícil concretização. Foco vai permanecer na execução. O tema foi abordado nas contactos que uma equipa da Comissão Europeia teve esta quarta-feira em Lisboa com o Governo, grupos parlamentares e parceiros sociais.

Finanças reembolsam 2.475 milhões de IRS. Prazo médio de pagamento regressa ao pré-pandemia

Até agora, foram entregues cerca de 5,5 milhões de declarações de IRS pelos contribuintes, sendo que 32% foram submetidas através do IRS Automático (preenchimento automático dos dados da declaração por parte da AT, através das informações comunicadas de forma automática às Finanças) e 68% foram submetidas de forma manual, revela o Governo.

Défice orçamental cai 411 milhões até maio. Saldo primário é positivo em 2,5 mil milhões

A melhoria do saldo das Administrações Públicas até maio reflete a dissipação dos efeitos da pandemia, refere o Ministério das Finanças em comunicado.
Comentários