Topo da Agenda: o que não pode perder nos mercados e na economia esta quarta-feira

Dia marcado pela apresentação dos dados da inflação em Portugal e nos Estados Unidos, onde a Reserva Federal norte-americana deverá continuar a ver-se obrigada a apertar a política monetária.

Evento em destaque: Inflação nos EUA em julho

Com a economia já tecnicamente em recessão, a Reserva Federal norte-americana deverá continuar a ver-se obrigada a apertar a política monetária, especialmente dado o discurso de valorização do forte e rígido mercado de trabalho, que voltou a surpreender em julho com mais de meio milhão de postos de trabalho criados. Nova surpresa na inflação pode fazer o mercado começar a olhar para subidas de 100 pontos base (p.b.), embora as expectativas atualmente estejam bem ancoradas em torno dos 75 p.b..

Outros eventos em foco:

  • INE divulga Estatísticas do Emprego no 2º trimestre
  • INE confirma inflação de julho
  • INE publica Índices de Volume de Negócios, Emprego, Remunerações e Horas Trabalhadas nos Serviços
  • China: Inflação em julho
  • China: Preços na produção industrial em julho
  • Rússia: Inflação em julho
  • Resultados trimestrais: Walt Disney (EUA)
Recomendadas

Ministra sinaliza que trabalhadores que recebem salário mínimo não terão perda de poder de compra em 2023

Vem aí uma “negociação intensa”, antecipou a ministra do Trabalho, à saída da reunião em que apresentou aos parceiros sociais as propostas do Governo para o acordo de rendimentos. Entre elas, está a vontade que o salário mínimo suba mais do que a inflação.

Fenadegas pede apoio para adegas cooperativas e produtores de vinho

A Fenadegas diz que “contrariamente às expetativas criadas, nas medidas anunciadas pelo governo para colmatar os efeitos negativos desta crise, não foi previsto nenhum apoio específico para os produtores de vinho e suas unidades de vinificação”.

Goldman Sachs prevê queda de 1% do PIB da zona euro até ao segundo trimestre

“Os sectores químico e automóvel da Alemanha confirmam que o ritmo de paralisações por causa do aumento dos custos de energia provavelmente acelerará”, reforçam os economistas do Goldman Sachs.
Comentários