Topo da Agenda: o que não pode perder nos mercados e na economia esta quarta-feira

Depois de ter registado a melhor semana nos mercados a nível mundial na semana passada, a China divulga dados da inflação e preços na produção industrial numa altura em que a possibilidade de levantamento da política Covid-zero vai ganhando força, animando mercados no sudeste asiático e alguns segmentos na Europa, como o luxo.

1 – China

Evento em destaque: China divulga dados macro com reabertura no horizonte

Depois de ter registado a melhor semana nos mercados a nível mundial na semana passada, a China divulga dados da inflação e preços na produção industrial numa altura em que a possibilidade de levantamento da política Covid-zero vai ganhando força, animando mercados no sudeste asiático e alguns segmentos na Europa, como o luxo.

Outros eventos em foco:

  • INE: Estatísticas do Emprego no terceiro trimestre
  • INE: Índices de Volume de Negócios, Emprego, Remunerações e Horas Trabalhadas na Indústria em setembro
  • BdP: Emissões de Títulos de Dívida em setembro
  • OCDE: Indicador Compósito Avançado de outubro
  • Resultados trimestrais: Sonae (Portugal)
Recomendadas

PremiumOCDE deixa quatro recados a Portugal, do PRR ao orçamento

A OCDE está menos otimista do que estava no verão quanto à evolução da economia portuguesa no próximo ano, tendo revisto em baixa a previsão de crescimento do PIB. Aproveitou também para alertar para a importância do PRR e da consolidação orçamental.

OE2022: Segurança Social regista excedente de 3.358 milhões de euros até outubro

A receita da Segurança Social aumentou em 9,1% e atingiu os 28.387,7 milhões de euros até outubro, enquanto a despesa caiu 0,5% para 25.030,1 milhões de euros, de acordo com a síntese divulgada hoje pela Direção-Geral do Orçamento (DGO).

PremiumBCE e Fed avaliam peso da subida de juros e ritmo pode abrandar nas próximas reuniões

As atas das mais recentes reuniões de política monetária na zona euro e EUA mostram uma preocupação de ambos os bancos centrais com o abrandamento da economia, dando esperanças de subidas menos expressivas dos juros nos próximos meses, embora os sinais neste sentido sejam mais fortes do outro lado do Atlântico.
Comentários