Topo da Agenda: o que não pode perder nos mercados e na economia esta quarta-feira

Depois da decisão surpreendente de dezembro de deixar subir para 0,5%, o dobro dos anteriores 0,25%, o limite superior dos juros dos títulos a longo prazo nipónicos, o mercado está com a atenção virada para Tóquio, onde a política ultra-acomodatícia do Banco do Japão pode finalmente ser abandonada.

Evento em destaque: Banco do Japão anuncia decisão de política monetária

Depois da decisão surpreendente de dezembro de deixar subir para 0,5%, o dobro dos anteriores 0,25%, o limite superior dos juros dos títulos a longo prazo nipónicos, o mercado está com a atenção virada para Tóquio, onde a política ultra-acomodatícia do Banco do Japão pode finalmente ser abandonada. O iene deve bater máximos de vários anos nesta aposta dos investidores e a decisão do regulador japonês deve mover os mercados globais a meio da semana.

Outros eventos em foco:

  • INE: Síntese Económica de Conjuntura de dezembro;
  • Eurostat: Inflação de dezembro;
  • Audição do CES – Conselho Económico e Social na Comissão de Orçamento e Finanças;
  • Reino Unido: Inflação em dezembro;
  • EUA: Preços na produção industrial em dezembro;
  • Japão: Produção industrial em novembro;
  • Resultados: Charles Schwab (EUA)
Recomendadas

Espanha. Sector dos serviços cresce ao maior ritmo desde julho

É o sector com mais peso no PIB espanhol e teve no primeiro mês de janeiro o melhor mês desde julho do ano passado.

Dados do emprego nos EUA podem influenciar próxima reunião da Fed

A Oxford Economics estima que a Fed volte a aumentar as taxas de juro em 25 pontos base no próximo mês de março e que essa decisão já contemple os resultados do emprego nos EUA. A subida das taxas no mês de janeiro irá impedir novo aumento no próximo mês.

Embargo europeu a gasóleo russo chega este domingo (com áudio)

De acordo com dados da “Bloomberg”, Moscovo é o maior fornecedor de gasóleo à Europa sendo que os países da Europa ocidental recebem diariamente 600 mil barris deste produto refinado, metade do abastecimento que chega todos os dias ao “Velho Continente”.
Comentários