Topo da Agenda: o que não pode perder nos mercados e na economia esta quinta-feira

Continua a época de resultados em Wall Street. Esta quinta-feira, é a vez da Netflix e da Procter&Gamble, mas o grosso dos grandes nomes de Wall Street ainda não divulgou contas. Por cá, o Parlamento debate as greves e reivindicações dos professores.

Professores desfilam durante a Marcha Nacional pela Escola Pública, convocada pelo S.TO.P. – Sindicato Todos os Professores, como forma de protesto contra as politicas de educação do Governo, Lisboa, 14 janeiro 2023. ANTÓNIO COTRIM/LUSA

Evento em destaque: Continua a época de resultados em Wall Street

Depois do arranque de parte da banca na sexta-feira passada, terça-feira verá os resultados da Goldman Sachs e JPMorgan antes de arrancarem as grandes cotadas tecnológicas. A Netflix é a primeira, na quinta-feira, quando reporta também a Procter&Gamble, mas o grosso dos grandes nomes de Wall Street começará a divulgar os números de 2022 na próxima semana, esperando-se já efeitos da quebra sentida na atividade de vários sectores no final do ano.

Outros eventos em foco:

  • INE: Taxas de Juro Implícitas no Crédito à Habitação em dezembro
  • BCE publica atas da reunião de dezembro
  • 15h00: Debate de urgência na Assembleia da República, requerido pelo Chega, sobre as greves e reinvidicações dos professores
Recomendadas

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta quarta-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcam o dia informativo desta quarta-feira.

IGCP aponta para custo médio de financiamento de Portugal de 2,1% em 2023

As estimativas preliminares foram reveladas hoje pelo presidente do IGCP – Agência de Gestão da Tesouraria e da Dívida Pública, Miguel Martín, durante uma audição parlamentar na Comissão de Orçamento e Finanças (COF).

Censos mostram que parque habitacional cresceu 1,7% entre 2011 e 2021

O crescimento do alojamento em Portugal abrandou na última década, condicionado por crises da dívida soberana e pela pandemia, e as assimetrias no país mantêm-se: o litoral concentra a maioria da residência habitual e as casas com três ou mais divisões em excesso ultrapassam as situações de sobrelotação.
Comentários