Topo da Agenda: o que não pode perder nos mercados e na economia esta quinta-feira

Depois de três reuniões seguidas com subidas das taxas de juro, o banco central britânico deve voltar a optar por esta estratégia em maio, projetam os analistas, colocando o indicador de referência em 1%.

Sede do banco de Inglaterra | Rob Bodman/Reuters

Evento em destaque: Reunião de política monetária do Banco de Inglaterra

Depois de três reuniões seguidas com subidas das taxas de juro, o banco central britânico deve voltar a optar por esta estratégia em maio, projetam os analistas, colocando o indicador de referência em 1%. Este foi o valor-alvo definido pelos decisores ingleses para arrancar com a redução do balanço do banco, algo que ainda não sucedeu com nenhuma das autoridades monetárias ocidentais e que gera algum nervosismo nos mercados, pela incerteza em torno do processo. A inflação em março atingiu máximos de 1993, com 7%, o que fica mais de três vezes acima do objetivo de médio-prazo do Banco de Inglaterra (BoE).

Outros eventos em foco:

  • Briefing do Conselho de Ministros
  • BdP lança Boletim Económico
  • BdP divulga dados sobre Taxas de juro de novas operações de empréstimos e depósitos
  • BCE publica Taxas de juro de novas operações de empréstimos e depósitos na zona euro
  • Audição da Associação Nacional de Municípios Portugueses e da Associação Nacional de Freguesias na
  • Comissão de Orçamento e Finanças para apreciação na especialidade da proposta de OE2022
  • Alemanha: Encomendas industriais em março
  • Espanha emite bilhetes do Tesouro a dez anos
  • EUA: Pedidos semanais de subsídio de desemprego
  • OPEP+ realiza reunião mensal
  • Resultados trimestrais: CTT, EDP (Portugal); Airbus, AXA (França)
Recomendadas

PremiumNovobanco tem como meta financiar 600 milhões de euros de dívida “verde” até 2024

A meta faz parte do Plano Estratégico do banco para 2024 e o Novobanco já tomou firme duas emissões de dívida da Sonae SGPS e Modelo Continente indexadas a indicadores ESG.

Govcoins são o futuro mas ameaçam negócio da banca

As moedas digitais dos bancos centrais podem trazer mais segurança nos pagamentos, mas também criar um problema de inclusão. E podem colocar em causa a viabilidade do sector financeiro.

Wall Street termina semana apenas com Nasdaq a negociar em terreno negativo

O aumento das taxas de juros , a alta inflação, a guerra na Ucrânia e a desaceleração da economia chinesa castigaram as ações e levantaram preocupações sobre uma possível recessão nos EUA.
Comentários