Topo da Agenda: o que não pode perder nos mercados e na economia esta semana

A semana será mais curta em Portugal, mas será em cheio na vertente dos resultados trimestrais em ambos os lados do Atlântico, fechando com os dados da inflação na zona euro e em vários Estados-membros, incluindo Portugal. Pelo meio, os EUA publicam os números do crescimento no primeiro trimestre.

Segunda-feira, 25 de abril

Evento em destaque: Mais uma semana de resultados com nomes grandes de ambos os lados do Atlântico

A semana arranca com os resultados trimestrais da Coca-Cola e o resto da semana verá números do primeiro trimestre dos gigantes tecnológicos norte-americanos Microsoft, Apple, Amazon, Meta e Alphabet, outros títulos de renome de vários sectores como a Visa, Pepsi, T-Mobile, Boeing, ExxonMobil ou MasterCard e ainda grandes empresas europeias, incluindo a Danone, Nestle e HSBC. Em Portugal, a Jerónimo Martins dá o pontapé de saída de mais uma earning season.

Outros eventos em foco:

  • Sessão solene na Assembleia da República de comemoração do 25 de abril
  • Alemanha: indicador de confiança e sentimento económico do Instituto IFO

Terça-feira, 26 de abril

Evento em destaque: Ministro das Finanças no Parlamento para defender OE22

Com aprovação garantida pela maioria, Fernando Medina volta ao Parlamento para defender aquele que apelida como “seu” orçamento, mas que os partidos atacaram pela pouca diferença em relação à proposta chumbada em outubro passado. A discussão arrisca-se a ser, portanto, morna, tal como a de quarta-feira, quando for a vez da ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Ana Mendes Godinho, a marcar presença no plenário.

Outros eventos em foco:

  • EUA: Indicador de confiança do Chicago Board
  • EUA: Vendas de casas novas em março
  • Resultados trimestrais: Microsoft, Alphabet, Visa, Pepsi, UPS (EUA); HSBC (Reino Unido); Santander (Espanha)

Quarta-feira, 27 de abril

Evento em destaque: Ministra da Segurança Social no Parlamento

Ana Mendes Godinho vai na quarta-feira ao Parlamento para defender a proposta do Governo para o OE2022. A semana fechará com mais números da inflação na zona euro e, apesar de se manterem em níveis recorde em março, os dados definitivos pintaram um cenário marginalmente menos negativo do que as estimativas rápidas iniciais, com a taxa de inflação e a core a serem confirmados 0,1 pontos percentuais (p.p.) abaixo do inicialmente reportado. Ainda assim, a presidente do BCE reconheceu recentemente a possibilidade dos juros subirem ainda este ano, colocando em alvoroço os mercados, que há largos meses se debatem com esta possibilidade. Lagarde fala duas vezes em Hamburgo na quarta-feira e os investidores e analistas estarão atentos a mais sinais sobre o rumo da política monetária europeia.

Outros eventos em foco:

  • INE publica Procura Turística dos Residentes no 4º trimestre
  • INE divulga resultados do Inquérito à Avaliação Bancária na Habitação de março
  • EUA: Balança de bens em março
  • EUA: Inventários de petróleo
  • Rússia: PIB no 1º trimestre
  • Resultados trimestrais: Meta, T-Mobile, Qualcomm, Amgen, PayPal (EUA); GlaxoSmithKline (Reino Unido); Schneider Electric, Air Liquide (França); Iberdrola (Espanha)

Quinta-feira, 28 de abril

Evento em destaque: Arranca debate do OE22

O Parlamento começa na quinta-feira (15h00) a debater a proposta do Governo para o OE2022. No outro lado do Atlântico, os EUA devem ter registado um abrandamento significativo da economia no primeiro trimestre do ano, com a vaga da Ómicron a condicionar a atividade e a inflação em alta a deteriorar o consumo nos primeiros três meses do ano. Os analistas projetam assim uma queda acentuada dos 6,9% registados no último trimestre de 2021 para 1,1% no início deste ano, adensando os medos de uma recessão ou estagflação. Juntamente com estes dados será divulgado o índice de despesas com consumo pessoal, um indicador importante da inflação para a Reserva Federal, que se reúne para a próxima semana.

Outros eventos em foco:

  • INE divulga resultados do Inquérito de Conjuntura às Empresas e aos Consumidores de abril
  • INE publica estimativa rápida das Estatísticas do Comércio Internacional no 4º trimestre
  • Comissão Europeia divulga Indicadores de Sentimento Económico de abril
  • BCE publica Boletim Anual de 2021
  • Espanha: Inflação em abril
  • Alemanha: Inflação em abril
  • Banco do Japão anuncia decisão de política monetária
  • Resultados trimestrais: Jerónimo Martins (Portugal); Apple, Amazon, Mastercard, Eli Lilly, Merck&Co, Comcast, Intel, McDonald’s (EUA); Sanofi, TotalEnergies, Pernod Ricard (França); Unilever (Reino Unido); Repsol (Espanha)

Sexta-feira, 29 de abril

Evento em destaque: Parlamento vota OE 22

O Parlamento vota na sexta-feira a partir das 15 horas a proposta do Governo para o Orçamento do Estado para 2022. Antes, pelas 10 horas, prossegue o debate sobre o documento no hemiciclo. A leitura de março revelou-se apenas marginalmente mais baixa do que esperado, mantendo a pressão no BCE para agir no controlo de preços na zona euro. Abril poderá marcar o início de uma reversão, ou pelo menos maior calma, na pressão inflacionista, mas continua muito acima dos objetivos do banco central para o médio-prazo. A inflação subjacente será um elemento chave, ao revelar a extensão dos efeitos de segunda ordem da subida das matérias-primas, em particular energéticas, no Velho Continente.

Outros eventos em foco:

  • INE publica estimativa rápida do PIB no 1º trimestre
  • INE divulga estimativa rápida da inflação em abril
  • INE anuncia estimativa rápida da atividade turística em março
  • INE publica Índices de Volume de Negócios Emprego, Remunerações e Horas Trabalhadas no Comércio a Retalho de março
  • Espanha: PIB no 1º trimestre
  • França: Inflação em abril
  • Itália: Inflação em abril
  • Itália emite títulos do Tesouro a dez anos
  • Banco da Rússia anuncia decisão sobre taxas de juro
  • Resultados trimestrais: ExxonMobil, Chevron, AstraZeneca (EUA); AstraZeneca, Reckitt Benckinser (Reino Unido); BBVA, CaixaBank (Espanha)
Recomendadas

BCP e REN lideram ganhos na bolsa de Lisboa

Em contraste ao PSI, nas bolsas europeias a tendência nas principais praças é de desvalorização das bolsas.

IGCP colocou 1.500 milhões a seis e 12 meses, com juros positivos no prazo mais longo

“Portugal veio ao mercado com duas emissões de dívida de curto prazo, colocou em bilhetes do tesouro a 6 meses 625 milhões de euros e a 12 meses 875 milhões de euros. Face ao último leilão comparável assistimos a uma subida nas taxas”, segundo o Banco Carregosa.

IGCP vai ao mercado levantar até 1.750 milhões em dívida a seis e a 12 meses

O IGCP precisou que as maturidades dos BT hoje leiloados são em 18 de novembro de 2022 (seis meses) e em 19 de maio de 2023 (12 meses).
Comentários