Topo da Agenda: o que não pode perder nos mercados e na economia esta semana

A semana será rica em decisões de política monetária, com a Fed e o Banco de Inglaterra a assumirem o destaque e com o mercado a antecipar subidas das taxas de juro em ambos os lados do Atlântico. por cá, continua a discussão do OE2022 no parlamento.

Segunda-feira, 2 de maio

Evento em destaque: Começa apreciação da proposta de OE2022 na especialidade

Depois de uma discussão na generalidade morna e a aprovação da proposta de Orçamento do Estado para 2022 (OE2022) garantida pela maioria socialista no parlamento, a semana arranca com audições em várias comissões parlamentares para arrancar com a discussão do documento na especialidade. Destaque para a audição do Tribunal de Contas na manhã de segunda-feira, que antecede a ida do secretário de Estado dos Assuntos Europeus ao parlamento, num processo que não deverá trazer grandes novidades ao OE.

Outros eventos em foco:

  • INE divulga Estimativas Mensais de Emprego e Desemprego em março
  • BdP divulga dados da Dívida Pública em março
  • BCE publica estatísticas das Taxas de Câmbio em abril
  • IHS Markit divulga índices de gestores de compras na indústria em abril
  • Alemanha: Vendas a retalho em março
  • Resultados trimestrais: Moody’s (EUA)

Terça-feira, 3 de maio

Evento em destaque: Dia de resultados trimestrais na bolsa lisboeta

A época de resultados trimestrais está em pleno curso em ambos os lados do Atlântico e Lisboa terá esta semana números de várias cotadas de peso, a começar pela Galp, Corticeira Amorim e NOS na terça-feira. CTT e EDP também reportam esta semana, com o destaque nos EUA a ir para grandes nomes do sector farmacêutico e da saúde, como a Pfizer, Moderna e CVS.

Outros eventos em foco:

  • INE publica Índices de Produção Industrial de março
  • ACAP divulga dados da Vendas de Veículos Automóveis em abril
  • Eurostat divulga Taxa de Desemprego de março
  • Audição da ministra da Agricultura e Alimentação e da ministra da Presidência na Comissão de Orçamento e Finanças para apreciação na especialidade da proposta de OE2022
  • Alemanha: Taxa de desemprego em abril
  • Eurogrupo realiza reunião mensal
  • Banco da Austrália anuncia decisão de política monetária de maio
  • Resultados trimestrais: Galp, Corticeira Amorim, NOS (Portugal); Pfizer, AMD, S&P Global, Airbnb (EUA); BP (Reino Unido); BNP Paribas (França)

Quarta-feira, 4 de maio

Evento em destaque: Reserva Federal anuncia decisão sobre taxas de juro

A inflação nos EUA voltou a subir em abril, mas os dados revelados na semana passada sobre o crescimento no primeiro trimestre soaram os alarmes quanto a uma possível subida das taxas de juro em 50 pontos base (p.b.) já na reunião de maio, dada a variação negativa reportada. A Fed encontra-se cada vez mais num dilema entre crescimento e controlo de preços, contando com uma melhoria substancial da atividade no segundo trimestre, já sem restrições pandémicas, mas com a guerra na Europa a pesar no horizonte.

Outros eventos em foco:

  • Eurostat publica dados do Comércio a Retalho em março
  • Espanha: Desemprego em abril
  • Alemanha: Balança comercial em março
  • EUA: Balança comercial em março
  • IHS Markit lança índices de gestores de compras nos serviços e composto
  • Alemanha emite bilhetes do tesouro a dez anos
  • Resultados trimestrais: EDP Renováveis (Portugal); CVS Health, Booking, Moderna (EUA)

Quinta-feira, 5 de maio

Evento em destaque: Reunião de política monetária do Banco de Inglaterra

Depois de três reuniões seguidas com subidas das taxas de juro, o banco central britânico deve voltar a optar por esta estratégia em maio, projetam os analistas, colocando o indicador de referência em 1%. Este foi o valor-alvo definido pelos decisores ingleses para arrancar com a redução do balanço do banco, algo que ainda não sucedeu com nenhuma das autoridades monetárias ocidentais e que gera algum nervosismo nos mercados, pela incerteza em torno do processo. A inflação em março atingiu máximos de 1993, com 7%, o que fica mais de três vezes acima do objetivo de médio-prazo do Banco de Inglaterra (BoE).

Outros eventos em foco:

  • BdP lança Boletim Económico
  • BdP divulga dados sobre Taxas de juro de novas operações de empréstimos e depósitos
  • BCE publica Taxas de juro de novas operações de empréstimos e depósitos na zona euro
  • Audição da Associação Nacional de Municípios Portugueses e da Associação Nacional de Freguesias na Comissão de Orçamento e Finanças para apreciação na especialidade da proposta de OE2022
  • Alemanha: Encomendas industriais em março
  • Espanha emite bilhetes do Tesouro a dez anos
  • EUA: Pedidos semanais de subsídio de desemprego
  • OPEP+ realiza reunião mensal
  • Resultados trimestrais: CTT, EDP (Portugal); Airbus, AXA (França)

Sexta-feira, 6 de maio

Evento em destaque: EUA divulgam números da criação de emprego em abril

O mercado laboral tem dado sinais mistos nos últimos meses, com revisões fortes das leituras anteriores que distorcem o cenário do emprego da maior economia do mundo. Ainda assim, a recuperação é assinalável e notória, acompanhando outros sectores da economia, que agora se depara com a possibilidade de uma recessão combinada com inflação elevada. Os mercados estarão atentos a mais sinais preocupantes nesta vertente, projetando mais uma divulgação na ordem dos 400 mil postos criados.

Outros eventos em foco:

  • Alemanha: Produção industrial em março
  • França: Criação de emprego no primeiro trimestre

[notícia alterada às 11h27]

Recomendadas

PremiumNovobanco tem como meta financiar 600 milhões de euros de dívida “verde” até 2024

A meta faz parte do Plano Estratégico do banco para 2024 e o Novobanco já tomou firme duas emissões de dívida da Sonae SGPS e Modelo Continente indexadas a indicadores ESG.

Govcoins são o futuro mas ameaçam negócio da banca

As moedas digitais dos bancos centrais podem trazer mais segurança nos pagamentos, mas também criar um problema de inclusão. E podem colocar em causa a viabilidade do sector financeiro.

Wall Street termina semana apenas com Nasdaq a negociar em terreno negativo

O aumento das taxas de juros , a alta inflação, a guerra na Ucrânia e a desaceleração da economia chinesa castigaram as ações e levantaram preocupações sobre uma possível recessão nos EUA.
Comentários