Topo da Agenda: o que não pode perder nos mercados e na economia esta semana

O BCE reúne-se provavelmente pela última vez antes de subir juros pela primeira vez em onze anos um dia antes de ser conhecida a inflação nos EUA em maio, onde o ciclo monetário vai já mais avançado. Petróleo estará em foco durante a semana, com o regresso à atividade em Xangai e pressionar ainda mais o barril em alta.

Thomas Lohnes / POOL via Lusa

Segunda-feira, 6 de junho

Evento em destaque: Xangai volta à atividade depois de confinamento de dois meses

A política ‘Covid zero’ do governo chinês tem criado preocupações a nível global pelo seu impacto no comércio global, particularmente quando os confinamentos em massa são decretados em cidades portuárias ou no centro financeiro do país e do continente, Xangai. Depois de dois meses em lockdown, os 22 milhões de habitantes da cidade podem voltar a alguma normalidade, o que levará a um aumento da procura global por petróleo e um provável acréscimo da pressão nos preços do ‘ouro negro’, e os números do final da semana sobre a balança comercial e a inflação na segunda maior economia mundial darão alguma luz sobre as perspetivas económicas chinesas.

Outros eventos em foco:

  • China: PMI dos serviços em maio

Terça-feira, 7 de junho

Evento em destaque: Conselho Económico e Social ouvido na Comissão de Orçamento e Finanças

Depois do parecer positivo à proposta de Orçamento do Estado para 2022 (OE2022), que também foi aprovada no parlamento pela maioria socialista e as abstenções dos deputados do Livre, PAN e PSD-Madeira, os parceiros sociais vão ao parlamento no âmbito da apreciação da Conta Geral do Estado do ano passado. O debate focar-se-á, portanto, no passado recente, embora a Concertação Social tenha estado no foco na passada semana pela falta de acordo quanto à chamada “agenda do trabalho digno”.

Outros eventos em foco:

  • INE publica Índice de Custos de Construção Habitação Nova em abril
  • Audição da Presidente da Comissão Executiva e do Presidente do Conselho de Administração da TAP na Comissão de Economia, Obras Públicas, Planeamento e Habitação
  • Alemanha: Encomendas industriais em abril
  • EUA: Balança comercial em abril

Quarta-feira, 8 de junho

Evento em destaque: Números semanais dos inventários de petróleo americanos

Com o embargo parcial europeu ao petróleo e derivados russos, o petróleo viu renovada a pressão que tem levado o barril a subir mais de 50% desde o início do ano. A Organização dos Países Exportadores de Petróleo (OPEP) concordou em subir o ritmo dos aumentos mensais de produção na semana passada, mas o incremento é reduzido e a capacidade de reserva, que já era baixa, vai preocupando os mercados, criando maior pressão para subidas. A juntar a isto o regresso da atividade na China, o preço do barril deve continuar a subir durante mais algumas semanas.

Outros eventos em foco:

  • INE publica Índices de Volume de Negócios, Emprego, Remunerações e Horas Trabalhadas na Indústria em abril
  • BdP publica Emissões de Títulos de Dívida de abril
  • Eurostat faz 2ª Publicação das Contas Nacionais Trimestrais no 1º Trimestre
  • Alemanha: Produção industrial em abril
  • Rússia: Inflação em maio
  • Alemanha emite títulos do Tesouro a dez anos

Quinta-feira, 9 de junho

Evento em destaque: BCE finaliza reunião de política monetária

Com a inflação a voltar a acelerar em maio e estabelecendo novos recordes, esta deverá ser a última reunião do Banco Central Europeu (BCE) antes de, pela primeira vez em onze anos, decidir subir as taxas diretoras na zona euro e, finalmente, arrancar com a normalização da política monetária. Mais subidas dos juros são praticamente inevitáveis nas reuniões seguintes, com cada vez mais vozes a pedirem aumentos de 50 pontos base (p.b.) em vez dos 25 p.b. para que apontou recentemente o economista-chefe do organismo. Espera-se alguns sinais quanto ao futuro vindos do discurso de Christine Lagarde, embora a reunião não deva alterar o cenário atual.

Outros eventos em foco:

  • INE publica Índices de Volume de Negócios, Emprego, Remunerações e Horas Trabalhadas nos Serviços em abril
  • INE divulga Estatísticas do Comércio Internacional de Bens em abril
  • França: Criação de emprego no 1º trimestre
  • China: Balança comercial em maio
  • Rússia: Reservas do Banco Central

Sexta-feira, 10 de junho

Evento em destaque: Inflação em maio nos EUA

Com a Reserva Federal já num ciclo claro de normalização monetária, os dados do emprego em maio surpreenderam pela positiva e, caso a inflação continue sem dar sinais de abrandamento, parece haver margem para se concretizar a “aterragem suave” de que falou Jerome Powell, presidente da Fed, sobre um possível arrefecimento da economia até à recessão. No entanto, isto significaria também subidas mais expressivas, com os hawks do Comité Federal de Mercado Aberto (FOMC) a pedirem subidas consecutivas de 50 p.b. e os mercados em alvoroço com esta possibilidade.

Outros eventos em foco:

  • Celebrações do Dia de Portugal
  • Espanha: Inflação em maio
  • China: Inflação em maio
  • Brasil: Vendas a retalho em abril
  • Rússia: Decisão de política monetária
Recomendadas

Calendário do PRR é para manter

Eventual adiamento do calendário do Plano de Recuperação e Resiliência (PRR), sugerido há poucas semanas por Marcelo Rebelo de Sousa e Mariana Vieira da Silva, será de muito difícil concretização. Foco vai permanecer na execução. O tema foi abordado nas contactos que uma equipa da Comissão Europeia teve esta quarta-feira em Lisboa com o Governo, grupos parlamentares e parceiros sociais.

Finanças reembolsam 2.475 milhões de IRS. Prazo médio de pagamento regressa ao pré-pandemia

Até agora, foram entregues cerca de 5,5 milhões de declarações de IRS pelos contribuintes, sendo que 32% foram submetidas através do IRS Automático (preenchimento automático dos dados da declaração por parte da AT, através das informações comunicadas de forma automática às Finanças) e 68% foram submetidas de forma manual, revela o Governo.

Défice orçamental cai 411 milhões até maio. Saldo primário é positivo em 2,5 mil milhões

A melhoria do saldo das Administrações Públicas até maio reflete a dissipação dos efeitos da pandemia, refere o Ministério das Finanças em comunicado.
Comentários