Topo da agenda: o que vai marcar a atualidade esta quarta-feira

As vacinas contra a Covid-19 deverão chegar hoje às regiões autónomas da Madeira e dos Açores. Espanha fica a conhecer a evolução da inflação mensal e anual depois de, ano passado, ter sido de -0,8% e 0,2%, respetivamente. O Parlamento britânico está de olhos postos no acordo do Brexit.

O evento em destaque esta quarta-feira, dia 30 de dezembro, é a chegada das vacinas contra a Covid-19 às regiões autónomas da Madeira e dos Açores. A previsão é de que o primeiro lote de 9.750 doses do fármaco desenvolvido pela farmacêutica norte-americana Pfizer e pela BioNTech aterre na ilha Terceira 22h30 e no Funchal também à noite. Os dois Governos Regionais têm tudo a postos para começar a administrar a vacina às populações logo na manhã seguinte.

Nota ainda para a restauração: hoje os restaurantes no arquipélago da Madeira estão excecionalmente autorizados a encerrar à meia noite.

Lá fora, foco no parlamento britânico, que irá votar o acordo comercial entre o Reino Unido e a União Europeia,  que chegou a bom porto na véspera de Natal, depois de cerca de dez meses de negociações e apenas uma semana antes de o país deixar oficialmente de estar na lista de Estados-membros.

Outros eventos em foco

  • Espanha ficara a conhecer a evolução da inflação mensal e anual. Em 2019, o valor da inflação anual no país vizinho era de -0,8% e a mensal de 0,2%
  • Instituto Nacional de Estatística (INE) revela às 11h00 os índices de produção industria e divulga uma estimativa da atividade turística em novembro
  • Reino Unido publica o índice de preços da habitação em dezembro
  • Suíça apresenta o índice dos principais indicadores do Instituto KoF em dezembro
  • Estados Unidos atualizam os inventários do petróleo bruto e do retalho (exceto da indústria automóvel) e divulgam as vendas pendentes de casas em novembro
Recomendadas

OE2023: Margem orçamental para função pública está esgotada

Na primeira reunião, realizada na segunda-feira, o Governo indicou que a valorização da administração pública iria custar 1.200 milhões de euros, incluindo aumentos salariais, progressões e promoções e a revisão da tabela remuneratória.

PremiumBdP revê inflação em alta, mas pico já deverá ter passado

Banco central projeta taxa de 7,8%, a mais elevada desde 1993 nos preços, levando a perdas reais nos salários, que crescem a uma taxa mais baixa. Juros em alta não devem criar terramoto na dívida.

PremiumSalário mínimo da Função Pública vai subir 57 euros

A base remuneratória da Administração Pública vai subir 8% em janeiro, o que significa que esses trabalhadores não perderão poder de compra. Já a maioria dos demais funcionários públicos vai ter aumentos abaixo da inflação.
Comentários