Topo da agenda: o que vai marcar a atualidade esta terça-feira

Plano de reestruturação da TAP é discutido hoje no Parlamento com o ministro Pedro Nuno Santos, no dia em que a Comissão Parlamentar de Inquérito ao Novo Banco toma posse.

Cristina Bernardo

Pedro Nuno Santos é terça-feira ouvido sobre o plano de reestruturação da TAP às 15h00 na Comissão de Economia, Inovação, Obras Públicas e Habitação, onde será também debatida  a política geral do Ministério e outros assuntos de atualidade.

O Governo apresentou publicamente na sexta-feira o plano de reestruturação, depois de ter enviado o documento à Comissão Europeia na quinta-feira. No cenário base enviado à Comissão Europeia prevê-se que em 2021 a TAP venha a necessitar de um apoio de Estado de 970 milhões de euros.

Outros eventos em foco:

  • INE: Paridades de Poder de Compra
  • 12h: Tomada de posse da comissão parlamentar de inquérito ao Novo Banco
  • 15h: Reunião do Conselho de Estado
  • 15h30: Audição na Comissão de Orçamento e Finanças do Secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, António Mendonça Mendes, sobre Zona Franca da Madeira
  • 16h30: Audição na Comissão de Assuntos Constitucionais do ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, sobre a morte do cidadão ucraniano que se encontrava à guarda do SEF
Recomendadas

Crise/Inflação: Casais podem receber 125 euros pelo IBAN do reembolso do IRS

O apoio de 125 euros é individual, mas os casais que entreguem o IRS em conjunto e só tenham o IBAN do reembolso deste imposto confirmado nas Finanças recebem o apoio nessa conta bancária, esclareceu hoje fonte oficial.

PremiumPartidos convergem nos apoios às famílias e crescimento económico

Os partidos com assento parlamentar começam a definir as prioridades para o próximo Orçamento do Estado. Num quadro de incerteza, continuidade e necessidade de calibrar medidas é o elemento central do PS. Oposição reclama respostas ao acelerar da inflação.

Premium“Dá-se quase uma medalha a quem consegue fugir aos impostos”, diz presidente da APIT

O presidente da APIT salienta que Portugal está a braços com a economia informal e que são precisas políticas de cidadania na área.
Comentários