Torre do Tombo. Já viu a Magna Carta?

A Torre do Tombo vai expor publicamente a Magna Carta entre 7 e 12 de dezembro, no âmbito de uma exposição e conferências intituladas “Magna Carta – Significados”, organizada pelo Instituto de Estudos Medievais (IEM) com a colaboração do centro de investigação da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade NOVA de Lisboa (FCSH/NOVA).


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

A Torre do Tombo vai expor publicamente a Magna Carta entre 7 e 12 de dezembro, no âmbito de uma exposição e conferências intituladas “Magna Carta – Significados”, organizada pelo Instituto de Estudos Medievais (IEM) com a colaboração do centro de investigação da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade NOVA de Lisboa (FCSH/NOVA).

A mostra pública inclui uma das cópias da Magna Carta, um documento histórico com cerca de 800 anos, o Tratado de Windsor entre Portugal e Inglaterra, a mais antiga aliança diplomática do mundo ainda em vigor, entre outros.

A iniciativa, promovida pela Torre do Tombo, integra o programa que acompanha a mostra pública da Magna Carta e do decreto real de João I de Inglaterra. Do texto original  ‐ posteriormente foram feitas várias revisões ‐ existem quatro versões de 1215, ano em que foi escrita, e quatro exemplares de 1217, um dos quais do arquivo da Catedral de Hereford, que estará em Lisboa.

A importância do documento advém do facto de, pela primeira vez na história das monarquias, se tentar limitar o poder do Rei, impedindo assim a concretização de um regime absolutista e influenciando decisivamente as bases do Direito moderno. A exibição da Magna Carta integra‐se nas comemorações do oitavo centenário da sua promulgação, numa   iniciativa do Foreign Office   do Reino Unido,   patrocinado pelo British Heritage e pelo grupo Linklaters, explica comunicado da escola de Lisboa.

Em paralelo com este documento, que chega a Portugal proveniente de Hong Kong no âmbito de um périplo mundial, serão também exibidos na Torre do Tombo documentos nacionais do reinado de Afonso II que refletem a inovação da política administrativa no contexto da época.

Estará ainda exposto o Tratado de Windsor de 1386, que criou as bases das relações bilaterais mantidas entre Portugal e a Grã‐Bretanha até aos dias de hoje.

A exposição “Magna Carta ‐ significados” e todos os outros documentos estarão patentes na Torre do Tombo, de 7 a 12 de dezembro.

No dia 10, pelas 15 horas, realiza‐se uma conferência com Nicholas Vincent (Universidade de East Anglia), Maria João Branco (IEM‐FCSH/NOVA) e João Carlos Espada (Universidade Católica), na qual se irá debater a relevância deste conjunto de documentos na sua época e nos dias de hoje, em Inglaterra, Portugal e no mundo (consultar programa).

OJE

Recomendadas

PremiumAfegãos em Portugal, um ano de esperança

“As minhas expectativas aqui são aquelas que não pude ter do meu país por causa da guerra. Quero estar onde possa estudar, escolher a minha carreira, viver em paz”, diz Farkhunda. Histórias de refugiados que encontraram abrigo no nosso país.

PremiumXeque Tamim bin Hamad Al Thani contra o xeque-mate ocidental

A Europa é sempre apanhada de surpresa. No Qatar, como em Israel, como na Jugoslávia, como na Alemanha de 1939, como na Crimeia. E o pior é que é mesmo apanhada de surpresa.

PremiumVariedades portuguesas de azeite estão em risco de desaparecer

A campanha de apanha da azeitona de 2022 está quase a chegar ao fim. É certo que, apesar de a qualidade do azeite se ter mantido em níveis de excelência, registaram-se quebras significativas no volume de produção face à safra do ano precedente. Mas não é essa a maior dor de cabeça a apoquentar os produtores do sector que querem manter a sustentabilidade e a biodiversidade para preservar o futuro.