“Totalmente errónea”. TAP garante ter técnicos de manutenção suficientes para operar aviões com segurança

A transportadora operada por Christine Ourmières-Widener sublinha que a acusação do sindicato em relação à segurança da operação da TAP “carece de qualquer fundamento”.

A TAP considera “totalmente errónea” e “irresponsável” o alerta do Sindicato dos Técnicos de Manutenção de Aeronaves (SITEMA) que informa que a companhia aérea está a operar com um rácio de técnicos de manutenção por aeronave abaixo da média internacional, por estar a perder trabalhadores devido aos cortes salariais.

Numa nota divulgada esta quinta-feira, a companhia aérea portuguesa afirma que conta atualmente nos seus quadros com “um total de 831 técnicos de manutenção de aeronaves (TMA) e um total de 76 aviões na sua frota” (excluindo a frota operada por Portugália e White, que têm manutenção própria). Feitas as contas, a TAP diz que regista “um rácio de 10,9 TMA por avião”.

“É assim totalmente errónea, lamentável e irresponsável a informação hoje transmitida em comunicado de imprensa pelo SITEMA de que “atualmente a TAP está a operar com um rácio de 1,2 TMA por aeronave, sendo que em período anterior à reestruturação operava com um rácio de 1,44 TMA por aeronave. Os valores comparam com a média internacional de 3,2 TMA por aeronave””, lê-se na nota enviada às redações.

No mesmo documento, a transportadora operada por Christine Ourmières-Widener sublinha que a acusação do sindicato em relação à segurança da operação da TAP “carece de qualquer fundamento”, relembrando que a TAP integra o top 10 das companhias aéreas mais seguras do mundo, sendo considerada já em 2022 a companhia aérea mais segura da Europa e quinta a nível mundial, de acordo com a entidade independente Airline Ratings.

Recomendadas

SATA prevê saída de 150 trabalhadores até final de 2023 através de rescisões negociadas

Cerca de 100 trabalhadores já saíram da companhia aérea açoriana SATA desde que foi lançado o primeiro programa de rescisões, em 2020.

Empresas TVDE criaram mais de sete mil empregos em seis anos

Entre 2013, ano anterior ao lançamento da operação da Uber em Portugal, e 2019, o número de empresas no sector (plataformas de transportes de passageiros) cresceu 71%.

Há 45 anos foi vendida a primeira Coca-Cola em Portugal

Foi a 4 de julho de 1977, num café na Baixa de Lisboa. “Não só faz parte da história do país como contribui ativamente para a economia nacional. Por cada euro que é gasto em Coca-Cola, 81 cêntimos permanecem em Portugal”, diz Rui Serpa, diretor em Portugal da Coca-Cola Europacific Partners.
Comentários