PremiumToys’R’Us Ibéria quer abrir 25 lojas nos próximos cinco anos

A Toys”R”Us Ibéria escapou ao efeito de contágio da falência da marca nos EUA. Detida por investidores portugueses a estratégia passa pela revitalização da marca, abertura de novas lojas e uma forte aposta no ‘e-commerce’.

Quando uma das marcas mais famosas de brinquedos, a Toys “R” Us, entrou em falência nos Estados Unidos, muitos jovens lamentaram nas redes sociais o fim das lojas que tinham marcaram a sua infância. Em Portugal e Espanha a situação foi diferente. Este ano foi efectuado um processo de compra da Toys”R”Us Ibéria  por parte da sociedade de investimento Green Swan, em 60% e em 40% por parte da antiga equipa de direção.

Paulo Sousa Marques, que se manteve à frente da atual equipa de gestão, assumiu o cargo de CEO ibérico. “Na Península Ibérica  é uma empresa saudável, não deve um tostão a ninguém e tem um ativo imobiliário importante. Em 27 anos de existência nunca teve uma dívida vencida. O efeito contágio, dos Estados Unidos, é sempre uma chatice mas se tivessemos medo disso não tinhamos comprado. “, diz ao Jornal Económico. Atualmente, e depois da aquisição, conta com um património líquido de 112 milhões de euros. Existem 10 lojas em Portugal e 51 em Espanha.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Relacionadas

Portugueses querem ressuscitar a Toys ‘R’ Us: este é o plano delineado

“Somos independentes e temos muita vontade de transformar a Toys ‘R’ Us. Queremos o cliente perceba que não somos a mesma empresa, apesar de não termos mudado o nome da marca porque acreditamos que a mesma é um ativo muito valioso”, afirma Paulo Sousa, o novo CEO da Toys ‘R’ Us Ibéria

Toys “R” Us: nascimento e crise da gigante mundial de brinquedos

Empresa foi criada em 1948 por Charles Lazarus, na sequência do baby boom que se seguiu à Segunda Guerra Mundial. Atualmente, vive os dias mais conturbados da sua história.
Recomendadas

Greve na TAP. “Não vemos qualquer perturbação que hoje possa afectar os nossos clientes”, diz CEO

A TAP enfrenta hoje o primeiro de dois dias de greve convocada pelo sindicato dos tripulantes de cabine SNPVAC. Em entrevista ao Jornal Económico (que sairá na íntegra na edição de sexta-feira), a CEO da companhia, a francesa Christine Ourmiere-Widemer, diz que os clientes não estão a ser afetados pela paralisação.

TAP: Sindicato fala em adesão total à greve de tripulantes até às 08:30

“O balanço é prematuro, uma operação da TAP inicia-se por volta das 05:30 da manhã, o que sabemos até à data é que nenhum voo saiu sem ser serviços mínimos ou Portugália, portanto até agora a adesão é total”, disse à Lusa o presidente do SNPVAC, Ricardo Penarroias, no aeroporto de Lisboa, cuja operação, às primeiras horas da manhã, funcionava dentro da normalidade.

EDP Renováveis vai construir eólicas offshore com 2 gigas na Califórnia

A Ocean Winds – um consórcio da EDP Renováveis e da francesa Engie – e o Canada Pension Plan Investment Board vão desenvolver um projeto eólico offshore ao largo da costa central da Califórnia, comunicou esta manhã a EDP à CMVM. Em causa está uma licença com direitos de gestão de 32,5 mil hectares naquela área.
Comentários