Trabalhadores da Apple em Maryland (EUA) fazem história e integram sindicato

Conta a Reuters que mais de 100 colaboradores que integram a unidade de Towson, perto de Baltimore, “votaram de forma esmagadora” esta adesão. Os esforços de sindicalização têm vindo a ganhar força neste país junto de colaboradores de algumas das maiores empresas norte-americanas, como a Amazon ou a Starbucks.

16 – Apple

Os trabalhadores da Apple em Maryland, nos EUA, votaram este sábado de forma favorável no sentido de integrar o sindicato, tornando-se os primeiros colaboradores de um gigante tecnológico associados a este tipo de organização nos EUA.

Conta a Reuters que mais de 100 colaboradores que integram a unidade de Towson, perto de Baltimore, “votaram de forma esmagadora no sentido de se juntarem à Associação Internacional de Maquinistas e Trabalhadores da Indústria Aeroespacial”, destaca este sindicato na sua página.

Estes trabalhadores, que formam a coligação dos empregados do retalho “contam com o apoio de uma sólida maioria dos nossos colegas”, pode ler-se numa carta remetida ao CEO da Apple, Tim Cook, de acordo com a Reuters. Esta é uma situação em que não queremos ir contra ou criar qualquer tipo de conflito com a nossa administração”, conclui o comunicado.

Instado a comentar esta situação, o porta-voz da Apple disse à Reuters, numa resposta via mail, que o gigante tecnológico “não tinha nada a acrescentar neste momento”.

De acordo com alguns relatos que chegam dos EUA, os esforços de sindicalização têm vindo a ganhar força neste país junto de colaboradores de algumas das maiores empresas norte-americanas, como a Amazon ou a Starbucks.

A Reuters dá conta, inclusivamente, que trabalhadores da Apple em Atlanta, também mostraram vontade em aderir ao sindicato e que o mesmo foi requerido no mês passado, apesar do clima de intimidação alegadamente criado em torno deste processo.

Recomendadas

Julius Baer torna unidade de mercados independente

A Julius Baer Group, que em Espanha tem portugueses na equipa de gestão, está a criar uma divisão de mercados autónoma e para dirigir essa unidade escolheu Luigi Vignola.

CEO deixa empresa de 65 mil milhões para ir para a “praia e não fazer nada”

Formica, que está no Reino Unido há quase três décadas, disse em entrevista que a sua saída se deve a “motivos pessoais”, incluindo o desejo de estar mais perto dos pais já idosos. Planeia voltar para a Austrália, o seu país natal.

ANJE com concessionária Norscut e Egis escolhem quatro propostas para melhorar autoestrada A24

O valor do prémio em concurso era de 30 mil euros, sendo atribuídos dois prémios por categoria – o valor do 1.º prémio era de 10 mil euros e do 2.º prémio de 5 mil euros.
Comentários