Trabalhadores da CGD em greve hoje e sexta-feira contra proposta “insultuosa” de atualização salarial (com áudio)

Os trabalhadores da CGD estão em greve esta quinta e sexta-feira contra a proposta de atualização salarial feita pela administração do banco, num protesto convocado pelo Sindicato de Trabalhadores das Empresas do grupo CGD (STEC).

Jose Manuel Ribeiro/Reuters

Também hoje de manhã haverá uma concentração de trabalhadores frente à sede do banco, em Lisboa, às 12:00, a qual contará com a presença da secretária-geral da CGTP, Isabel Camarinha.

Os trabalhadores do Grupo CGD defendem um aumento justo dos salários, considerando a “proposta de aumento salarial de cerca de 0,4% insultuosa e vergonhosa”, segundo o STEC.

O STEC acusa a administração da CGD de uma postura de “total sobranceria, intransigência e desrespeito para com os trabalhadores”, sublinhando que “esteve desde o início deste processo com total responsabilidade e disponibilidade para negociar, mas não pode aceitar a desconsideração reiterada da gestão sobre os trabalhadores da CGD”.

O sindicato diz que, entre 2020 e os primeiros nove meses de 2021, a CGD teve um resultado próximo dos 1.000 milhões de euros e entregou ao Estado um dividendo extra de 300 milhões de euros, o que – afirma – foi conseguido com o “trabalho, empenho e dedicação de todos os trabalhadores”.

Contudo, acrescenta, “para a administração da CGD esse trabalho vale a miserável recompensa de 0,4% de aumento salarial”, um valor abaixo da inflação prevista para 2021, o que significa que trabalhadores continuarão a perder poder de compra.

Para o STEC, a questão salarial soma-se “a contínua deterioração e degradação das condições de trabalho e ao facto grave e perigoso da CGD não cumprir com o horário de trabalho legalmente estabelecido” e acusa a administração da CGD de não pugnar pelo diálogo e pela paz social na empresa.

Em 07 de dezembro, o STEC convocou uma greve à prestação de trabalho suplementar entre as 00:00 de 13 de dezembro e as 24:00 de 14 de janeiro de 2022.

Recomendadas

Lucros do Banco de Fomento sobem 135% para 22,9 milhões de euros em 2021

“Este aumento explica-se, essencialmente, pelo crescimento do produto bancário que passou de 31,89 milhões de euros, em 2020 para 44,69 milhões de euros no ano em análise”, ou seja, subiu 40%.

Produção das seguradoras cresceu 38% para 12,4 mil milhões em 2021

A entidade liderada por Margarida Corrêa de Aguiar anunciou que a produção global de seguro direto das empresas de seguros revelou uma recuperação de 38% durante o exercício de 2021, para 12,4 mil milhões de euros, invertendo a tendência negativa a que se assistiu nos dois anos anteriores.

Taxa de juro média dos novos empréstimos à habitação ultrapassa os 2% pela primeira vez desde maio de 2016

Em agosto, os bancos concederam 1.855 milhões de euros de novos empréstimos aos particulares, menos 111 milhões do que em julho, sendo 1.205 milhões de euros de crédito à habitação. Já o montante de novos empréstimos às empresas foi de 1.297 milhões de euros, menos 173 milhões do que no mês anterior.
Comentários