Trabalhadores da PT avançam para tribunal contra Altice antes do Natal

Funcionários da PT que foram transmitidos para outras empresas começarão a pôr os primeiros processos em tribunal até dia 22 de dezembro.

Os funcionários da PT que foram transmitidos para outras empresas começarão a pôr os primeiros processos em tribunal contra a Altice até dia 22 deste mês, disseram esta segunda-feira dirigentes dos sindicatos representativos destes trabalhadores.

As primeiras ações judiciais serão relativas aos 37 trabalhadores da área da informática da PT Portugal cujos contratos de trabalho foram passados para a empresa Winprovit, através do recurso a uma figura legal da “transmissão de estabelecimento”.

“Vai dar entrada até ao próximo dia 22 [de dezembro] o processo relativo à Winprovit, metido pelo Sinttav e STPT”, disse hoje o porta-voz dos sindicatos dos trabalhadores da PT, Jorge Félix, aos jornalistas.

Do Sindicato Nacional dos Trabalhadores das Telecomunicações e Audiovisual (Sinttav) são 15 os trabalhadores que vão interpor ações em tribunal e do Sindicato dos Trabalhadores do Grupo Portugal Telecom (STPT) deverão ser dois os funcionários que avançam com processos legais.

As ações são tanto contra a PT/Meo como contra a empresa para a qual foram transferidos, sendo o objetivo dos trabalhadores a reversão do processo pelo qual mudaram de empresa e o regresso ao seu local de trabalho original da PT.

As ações relativamente aos outros trabalhadores abrangidos por esta decisão da PT serão colocadas em tribunal já em 2018.

A operadora de telecomunicações PT, detida há dois anos pela francesa Altice, tem sido alvo de protestos por motivos laborais.

No verão provocou muita polémica a mudança de 155 funcionários da PT para outras empresas – Tnord, Sudtel, Winprovit e ainda Visabeira -, recorrendo à figura jurídica de transmissão de estabelecimento. Destes, 27 já rescindiram contrato com a empresa.

Os trabalhadores que passaram para outras empresas mantêm os direitos laborais contratuais que tinham na PT mas apenas durante 12 meses, como definido na lei, pelo que os sindicatos temem que possa haver despedimentos terminado esse prazo.

Dos 128 trabalhadores que eram da PT e que estão agora noutras empresas, nem todos decidiram que vão avançar com processos em tribunal.

Dos que avançarem, cada sindicato irá pôr os processos relativamente aos seus associados, ainda que a estratégia jurídica a usar tenha sido decidida em comum entre os advogados dos sete sindicatos.

Relacionadas

Disputa laboral na Meo chega aos tribunais

Tribunal do Trabalho de Coimbra questiona competência para julgar acção contra transferência de trabalhadores da empresa detida pela Altice para outras empresas do grupo e para a Visabeira.

Trabalhadores da PT/MEO pedem reunião urgente a novo CEO

As estruturas representativas dos trabalhadores da PT/MEO pediram hoje uma reunião “com caráter de urgência” ao novo presidente executivo da empresa de telecomunicações, Alexandre Fonseca.

Novo presidente da Altice/Meo promete continuar estratégia, indo “mais longe”

O apelo surge numa altura em que a empresa tem sido alvo de protestos por motivos laborais.
Recomendadas

Disney lança serviço de subscrição com publicidade a mais de 100 marcas

Os assinantes da Disney+ nos Estados Unidos têm, a partir desta quinta-feira, uma opção de televisão com anúncios entre os filmes e as séries.

Aeroporto de Lisboa. “Senhores políticos, simplesmente deixem que as obras avancem”, pede líder da APAVT

Pedro Costa Pereira, presidente da Associação Portuguesa da Agências de Viagens e Turismo deixou o apelo na abertura do congresso. “Não evitarão a vergonha, que se colou a todos os que contribuíram para a atual situação, mas pelo menos mitigarão as consequências deste processo tão trágico como ridículo”, afirmou.

Turismo. Programa Apoiar será reforçado com 70 milhões de euros a partir de 1 janeiro

A informação foi anunciada pelo novo secretário de Estado do Turismo, Nuno Fazenda, durante o 47.º Congresso da APAVT, no qual deu ainda conta de uma linha de 30 milhões de euros para dar resposta às microempresas para se financiarem no Turismo de Portugal.
Comentários