Trabalhadores da refinaria de Matosinhos pedem ajuda para reverter encerramento

“O nosso propósito é reverter a decisão que a empresa anunciou e que, a todos os níveis, parece uma decisão totalmente errada”, afirmou Rui Pedro Ferreira, dirigente do Sindicato da Indústria e Comércio Petrolífero (SICOP) e funcionário há 34 anos na Petrogal, na reunião da câmara de Matosinhos, apelando aos vereadores para “ajudarem os trabalhadores a reverterem a decisão” da Galp de encerrar a refinaria de Matosinhos.

Os representantes sindicais e trabalhadores da refinaria da Galp de Matosinhos apelaram hoje ao executivo para ajudar a “reverter a decisão” de encerramento do complexo e afirmaram que permanecem “sem saber” qual será o seu futuro.

“O nosso propósito é reverter a decisão que a empresa anunciou e que, a todos os níveis, parece uma decisão totalmente errada”, afirmou Rui Pedro Ferreira, dirigente do Sindicato da Indústria e Comércio Petrolífero (SICOP) e funcionário há 34 anos na Petrogal, na reunião da câmara de Matosinhos, apelando aos vereadores para “ajudarem os trabalhadores a reverterem a decisão” da Galp de encerrar a refinaria de Matosinhos.

Também presente na reunião, Telmo Silva, dirigente do Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias Transformadoras, Energias e Atividades do Ambiente (Site-Norte) e trabalhador na refinaria afirmou ter sido “com enorme desilusão e choque” que viu o anúncio da intenção da administração da Galp de encerrar a refinaria de Matosinhos.

“A administração, através de uma comunicação pela calada da noite à CMVM, informou que iria descontinuar a refinaria sem qualquer comunicação prévia, nem aos trabalhadores, nem às estruturas representativas que são os mais interessados e os que vão sofrer as maiores consequências”, disse Telmo Silva.

Segundo o responsável sindical, volvidos oito dias “os trabalhadores permanecem sem qualquer indicação sobre o seu futuro”.

“Esta situação desfere um golpe muito grande na região e no país”, afirmou, acrescentando que os sindicatos defendem a permanência do complexo e a manutenção dos postos de trabalho.

Em resposta a questões dos vereadores, José Santos, trabalhador na Petrogal disse que permanece “um secretismo” em torno da decisão da administração e que os trabalhadores “exigem que a Galp fale verdade e seja transparente”.

“Sempre que se faz uma mudança, quem paga a fatura são os trabalhadores”, afirmou, acrescentando que neste momento, todos os trabalhadores estão “sem saber o seu futuro”.

Depois de ouvir os trabalhadores, a presidente da câmara de Matosinhos, Luísa Salgueiro, lamentou o facto de a administração da Galp não ter incluído os trabalhadores na decisão de encerramento da refinaria e deixou a garantia de que os trabalhadores podem contar com a autarquia.

O vereador José Pedro Rodrigues da CDU lamentou a decisão da administração da Galp e afirmou que “impacto social da decisão é nefasto para a região e para o concelho de Matosinhos”.

Também Bruno Pereira, vereador do PSD, mostrou-se “solidário” com os trabalhadores e salientou que a informação sobre o encerramento da refinaria continua, contudo, a ser “escassa”.

O vereador António Parada, do movimento ‘António Parada, Sim!’, garantiu que o movimento “vai estar atento” e que tudo fará para “defender os interesses” dos trabalhadores.

Já a vereadora Ana Fernandes, do movimento ‘Narciso Miranda’, afirmou que este “foi um presente envenenado antes do Natal” e que se mantém a “situação de incerteza”.

A administração da Galp será ainda ouvida na reunião camarária e prestará esclarecimentos aos vereadores.

Em 21 de dezembro, a Galp anunciou, num comunicado enviado à Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM), que “continuará a abastecer o mercado regional mantendo a operação das principais instalações de importação, armazenamento e expedição de produtos existentes em Matosinhos”, e que está a “desenvolver soluções adequadas para a necessária redução da força laboral e a avaliar alternativas de utilização para o complexo”.

A empresa afirmou que as “alterações estruturais dos padrões de consumo de produtos petrolíferos motivados pelo contexto regulatório e pelo contexto covid-19 originaram um impacto significativo nas atividades industriais de ‘downstreaming’ da Galp”, e disse que “o aprovisionamento e a distribuição de combustíveis no país não serão impactados por esta decisão”.

Esta reconfiguração “permitirá uma redução de mais de €90m por ano em custo fixos e investimentos e c.900kt das emissões de CO2 e (scope 1 e 2) associadas ao sistema atual”, refere a nota.

Esta decisão já desencadeou várias reações com o Governo a considerar que a decisão da Galp “levanta preocupações” em relação ao destino dos trabalhadores, mas a lembrar que as medidas anunciadas se inserem num processo que visa a descarbonização do setor energético.

Recomendadas

Banco de Fomento lança consulta pública para dois novos Programas de co-investimento em PME

Estando ainda disponível o montante de 475 milhões de euros para lançar novos Programas, “o BPF convida as empresas e todos os interessados a participar na consulta pública acerca de futuras soluções de capital e quase capital, com o objetivo de obter contributos sobre as condições de dois Instrumentos Financeiros pré-estruturados destinados a fomentar a constituição de empresas e/ou capitalização empresarial”, revela o banco liderado por Ana Carvalho.

Premium“Somos a ótica das pessoas e que traz o know how francês”, diz CEO do grupo MonOpticien

Em entrevista ao JE, o CEO do grupo MonOpticien, Florent Carriére, explica o modelo de subscrição que traz para Portugal. “O meu concorrente não é a Multióticas, é a a Netflix e o Spotify”, sublinha.

Bancos da zona euro devolvem antecipadamente 447,5 mil milhões ao BCE

Este montante vem juntar-se aos quase 300 mil milhões de euros que foram reembolsados antecipadamente em 23 de novembro.
Comentários