Trabalhadores de Lisboa correspondem a quase metade da população em teletrabalho do país

A região Norte também apresentou um peso significativo na população em teletrabalho do país sendo, contudo, a expressão do teletrabalho na população empregada residente naquela região bastante menos expressiva do que a verificada na região de Lisboa.

Entre abril e dezembro de 2020, cerca de 16% da população empregada esteve em regime de trabalho como uma das medidas de prevenção contra a pandemia. Entre as sete regiões do país analisadas pelo Instituto Nacional de Estatística (INE), a Área Metropolitana de Lisboa (AML) registou a proporção mais elevada (27,9%) de trabalhadores a trabalhar a partir de casa. Ou seja, 48% do total dos trabalhadores.

Nas restantes regiões do país, a proporção de população em teletrabalho foi inferior à média nacional, situando-se abaixo dos 9% nas regiões autónomas.

A região Norte também apresentou um peso significativo na população em teletrabalho do país (28%) sendo, contudo, a expressão do teletrabalho na população empregada residente naquela região (12%) bastante menos expressiva do que a verificada na AML, explica o INE.

De acordo com o documento divulgado esta sexta-feira, “esta diferente expressão territorial do teletrabalho está associada às diferenças das estruturas produtivas regionais”.

Olhando para os diferentes sectores de atividade a proporção do emprego em teletrabalho foi superior ao dobro da média nacional em três ramos: atividades de informação e comunicação, que representa 66,9%, as atividades financeiras e de seguro s(47,6%) e por fim, as atividades de consultoria, científicas, técnicas e similares e atividades administrativas e dos serviços de apoio que representam 32,5% do total.

Ao nível das regiões, o INE informa que o sector da administração pública e defesa; segurança social; educação; saúde humana e ação social foi também a atividade económica com maior contributo para o total de população empregada em teletrabalho, atingindo valores mais elevados nas regiões autónomas da Madeira (55,6%) e dos Açores (50,0%) e o valor mais baixo na Área Metropolitana de Lisboa (28,2%).

Recomendadas

Campanha dos Bancos Alimentares “superou todas as expectativas”, diz Isabel Jonet

Os Bancos Alimentares contra a Fome (BA) recolheram 2.086 toneladas de alimentos, durante campanha nacional que decorreu no fim de semana, um valor que representa um aumento de 24% em relação à campanha realizada em igual período de 2021, de acordo com dados da Federação Portuguesa dos Bancos Alimentares Contra a Fome enviados à Lusa.

“Municípios são os principais responsáveis” pelos serviços de água

As entidades que gerem os recursos hídricos em Portugal devem trabalhar juntas para cimentar um plano de eficiência hídrica, num país que consome mais água do que aquela que tem ao seu dispor, alerta Diogo Rolim Martins, principal da EY-Parthenon, nesta “Fast Talk” da plataforma multimédia JE TV.

JE Podcast: Ouça aqui as notícias mais importantes desta segunda-feira

Da economia à política, das empresas aos mercados, ouça aqui as principais notícias que marcaram o dia informativo desta segunda-feira.
Comentários