Trabalhadores do Lidl em greve por aumento salarial de 40 euros

Os trabalhadores do Lidl concentraram-se hoje em frente à sede da empresa, no Linhó, concelho de Sintra, para reclamarem melhoria das condições laborais e aumentos salariais de 40 euros para todos os funcionários.

“Os trabalhadores do Lidl estão a manifestar o seu descontentamento pela falta de resposta da empresa às suas reivindicações”, explicou à Lusa a presidente do CESP – Sindicato dos Trabalhadores do Comércio, Escritórios e Serviços, Isabel Camarinha.

A dirigente sindical acrescentou que a greve se enquadra “numa luta dos trabalhadores da grande distribuição a exigir a negociação do contrato coletivo de trabalho”, onde se praticam “salários baixíssimos”.

Apesar das negociações decorrerem “há 15 meses”, Isabel Camarinha criticou as empresas e a Associação Portuguesa de Empresas de Distribuição (APED) por não darem passos no sentido de “corresponder às exigências dos trabalhadores”.

“Num setor em que as empresas têm lucros de milhões, a tabela salarial tem salários a rondar o salário mínimo nacional ou pouco mais”, apontou A dirigente do CESP.

Um funcionário do Lidl, Ricardo Santos, adiantou que a greve pretende reivindicar, além de mais horas de trabalho devidamente remuneradas, um “aumento de 40 euros para todos os trabalhadores”.

Em frente à sede do Lidl, no Linhó, concentraram-se cerca de duas centenas de trabalhadores e sindicalistas, muitos com dorsais da CGTP, enquanto alguns empregados entoavam palavras de ordem como “Têm lucros aos milhões e pagam uns míseros tostões”.

“A Lidl a procrastinar desde 1995”, lia-se num cartaz empunhado por um trabalhador, enquanto muitos assobiavam à entrada ou saída nas instalações de veículos de uma marca alemã que farão parte da frota de quadros da empresa de distribuição alimentar.

Nuno Eugénio, trabalhador de armazém no Lidl, queixou-se de “falhas salariais todos os meses” e também dos baixos vencimentos, “apesar da empresa dizer que paga acima da média”.

“Nós reclamamos melhores condições de trabalho, fim ao assédio moral aos trabalhadores, subsídio de frio e aumento salarial”, disse outra empregada, Vanda Rosa.

Os trabalhadores dos armazéns dos supermercados e hipermercados iniciaram hoje uma greve, a que se juntam no sábado e domingo empregados das lojas Lidl, Minipreço, Pingo Doce e Continente.

A paralisação, convocada pelos sindicatos da CGTP-IN, tem como objetivo pressionar a APED para evoluir na negociação do contrato coletivo, aumentos salariais, alterações de carreira e regulamentação dos horários de trabalho.

No final da concentração, os trabalhadores do Lidl aprovaram uma resolução reivindicativa, para entregar à administração da empresa.

Recomendadas

Respostas rápidas: é assim que pode ir para a reforma antes dos 66 anos e sete meses

Não tem 66 anos e sete meses, mas quer ir para a reforma? Há vários regimes que permitem a antecipação da pensão de velhice. O Jornal Económico explica, com base num guia do ComparaJá.

Preço médio das casas do Canadá vai custar perto de 500 mil euros até ao fim de 2023

Aumento das taxas de juro acima do previsto pelo Banco do Canadá estão a fazer com que os custos com a habitação consumam 60% das finanças das famílias, o valor mais elevado desde 1990.

Cenário económico não anula metas de descarbonização

O cenário de uma possível recessão, associada à já frágil conjuntura macroeconómica, não assusta o sector, que diz estar “bem mais preparado” do que em 2008. As fragilidades herdades da pandemia persistem, mas importa não perder o foco das metas estabelecidas.
Comentários