Trabalhadores dos CTT terminam greve de dois dias com adesão de 70%, avança sindicato

Os trabalhadores dos CTT terminaram hoje uma greve de dois dias com uma adesão média de cerca de 70%, segundo o sindicato, que a empresa diz não ter causado transtornos no serviço prestado à população porque apenas encerrou uma loja.

Rafael Marchante/Reuters

O secretário-geral do Sindicato Nacional dos Trabalhadores dos Correios e Telecomunicações (SNTCT), Vítor Narciso, disse à agência Lusa que a paralisação teve uma adesão média que rondou os 70%.

Nos serviços centrais e de apoio a adesão foi inferior, mas “no tratamento e distribuição de correspondência foi muito boa”, disse o sindicalista.

“Tivemos uma adesão muito boa, mas o principal objetivo da paralisação já foi conseguido pois o futuro do serviço prestado pelos correios tem sido discutido nos últimos dias e já fomos ouvidos na Assembleia da República”, salientou.

Vítor Narciso prevê que a greve de dois dias agrave o atraso já existente na distribuição de correio devido à falta de pessoal, mas sem que a população se aperceba.

“Já ninguém nota os efeitos de dois dias de greve pois o atraso na distribuição de correspondência é permanente, devido à degradação do serviço causada pela falta de pessoal”, disse o líder do SNTCT, filiado na CGTP.

De acordo com a empresa, a paralisação quase não afetou o funcionamento dos correios, porque registou apenas uma adesão de 17%, que levou apenas ao encerramento de duas das 608 lojas CTT na quinta-feira e de uma loja hoje.

Recomendadas

Marques Mendes: “Costa Silva recupera autoridade ou sai. O país precisa de um ministro da Economia forte”

“De um Governo com maioria absoluta, à partida um Governo forte, esperava-se unidade, coesão, determinação, energia, mobilização, espírito reformista. O que encontrámos? Exatamente o contrário”, disse este domingo o comentador da SIC.

Moçambique baixa receitas fiscais do gás ao fundo soberano para 40%

Moçambique deverá ser um dos maiores exportadores mundiais de gás a partir de 2024, beneficiando não só do aumento dos preços, no seguimento da invasão da Ucrânia pela Rússia, mas também pela transição energética.

PCP defende aumento do salário mínimo nacional para 850 euros em janeiro

O secretário-geral do PCP acusou o Governo de querer “retomar todos os caminhos da política de direita, fazer comprimir ainda mais os salários, facilitar a exploração, abrir espaço para os negócios privados na saúde e na educação, condicionando ou justificando as suas opções com as orientações e imposições da União Europeia e do euro”.
Comentários