Trabalhistas pressionam líder para fazer novo referendum sobre o Brexit

Trabalhistas pressionam o líder, Jeremy Corbyn, a lançar campanha para um segundo referendum sobre o Brexit. Ministro da Educação de Theresa May rejeita a ideia e descreve o acordo sobre a saída do Reino Unido da União Europeia como “equilibrado”. O acordo será votado no Parlamento britânico em janeiro.

Ativistas do Partido Trabalhista do Reino Unido, liderado por Jeremy Corbyn, querem desfazer-se do Brexit por considerarem que o acordo negociado por Theresa May, primeira-ministra britânica, impossibilita a implementação das políticas previstas no manifesto trabalhista e, por isso, lançaram uma campanha para um segundo referendo, notícia o “The Guardian”.

Apesar de relutante em em requerer um novo referendo sobre a saída do Reino Unido do Brexit, “a situação pressiona Jeremy Corbyn para realizá-lo”, lê-se (tradução livre).

A moção da campanha avançada pelos ativistas trabalhistas incita o Partido Trabalhista a lançar uma campanha pública sobre um segundo referendo e pressiona todas as circunscrições eleitorais trabalhistas a votarem a favor da permanência do Reino Unido na União Europeia. Os ativistas pretendem ter a moção aprovada antes de Theresa May, que liderou as negociações com a União Europeia nos últimos 18 meses, levar o acordo sobre o Brexit a votos no Parlamento britânico em janeiro.

Por sua vez, o governo britânico não está inclinado para um segundo voto popular sobre o Brexit, notícia a Agência Reuters, citando a Sky News. O ministro da educação britânico, Damian Hinds, disse, este sábado, que “um segundo referendum seria divisório”, negando rumores que certos ministros do governo de May quereriam um segundo referendum. “Tivemos o voto do eleitorado, já tivemos o referendum e agora temos de o implementar”, frisou o ministro, que considerou  acordo negociado entre a União Europeia e Theresa May “equilibrado”, por isso, deveria ter o apoio do Parlamento britânico.

Relacionadas

Brexit: Parlamento britânico vota acordo em janeiro

O Parlamento britânico votará em janeiro o acordo do ‘Brexit’, que foi negociado entre o Reino Unido e a União Europeia (UE), após o adiamento da votação marcada para esta semana, anunciou hoje o Governo britânico.

António Costa diz que só “iluminação divina” justificaria renegociação do Brexit

“Renegociar o quê? Tudo aquilo que tenho visto como críticas, aliás contraditórias, ao tratado, são pontos que não é possível mais renegociar”, disse o primeiro-ministro.

Brexit provoca quebra de 86 milhões de euros nas vendas de têxteis e vinho do Porto

Desde o referendo que ditou o Brexit que as exportações para o Reino Unido da indústria têxtil e do setor do vinho caíram 20% e 20,9%, respetivamente.
Recomendadas

ONU em São Tomé elogia autoridades após ataque a quartel e pede que país seja “bom aluno”

Em entrevista à Lusa, Eric Overvest declarou que o escritório da ONU em São Tomé e Príncipe acompanhou, ao longo do dia, os acontecimentos, junto das autoridades, na sequência do assalto, por quatro homens, ao quartel militar, que o primeiro-ministro, Patrice Trovoada, classificou como “tentativa de golpe de Estado”.

PremiumJoe Biden arrisca teto para o preço do petróleo russo

A decisão não conseguiu consenso na União Europeia. Moscovo adverte que pode ser o primeiro passo para uma crise petrolífera sem precedentes. Com a Ucrânia às escuras e com frio, o Kremlin acha que a NATO já está a combater a Rússia.

Ex-ministro das Finanças do Luxemburgo vai liderar fundo de resgate da zona euro

Num comunicado hoje divulgado, o fundo de resgate do euro indica que “o Conselho de Governadores do Mecanismo Europeu de Estabilidade, que junta os 19 ministros das Finanças da moeda única, nomeou hoje o ex-ministro das finanças luxemburguês Pierre Gramegna para o cargo de diretor-executivo”, que ocupa a partir de 1 de dezembro.
Comentários