PremiumTrabalho. Para onde irá a precariedade no período pós-pandemia

Hotelaria e restauração foram responsáveis pelo ‘boom’ do emprego após a última crise, mas também por grande parte dos contratos precários. Que caminho se seguirá agora na tão aguardada recuperação?

Temos de assegurar que os próximos empregos criados não seguem o padrão da última crise, em que os empregos criados foram precários e são depois os primeiros a desaparecer quando a crise recupera.” A afirmação de Pedro Siza Vieira, numa audição no Parlamento em novembro, ao defender a proposta do Orçamento do Estado para 2021, revela como uma das facetas do mercado de trabalho em Portugal nos últimos anos, não sendo ainda estrutural, representará um dos maiores desafios para a economia portuguesa (e para os trabalhadores) no caminho da recuperação, que segundo o ministro e as perspetivas generalizadas chegará já a partir do próximo ano.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Moldova mantém neutralidade mas irá fortalecer a cooperação com a NATO

A Moldova manterá a neutralidade, mas aprofundará a sua cooperação com a NATO para garantir a sua capacidade defensiva, declarou hoje o ministro dos Negócios Estrangeiros da Moldova, Nicu Popescu.

Espanha e Alemanha reúnem-se em cimeira pela primeira vez desde 2013

Espanha e Alemanha celebram na quarta-feira a primeira cimeira bilateral em nove anos, que coincide com um momento de sintonia entre os dois executivos em projetos como o do gasoduto para ligar a Península Ibérica à Europa central.

CMVM: “É notório o crescimento da divergência dos padrões de poupança das famílias portuguesas”

“A poupança de longo prazo exige disciplina e empenho além de, naturalmente, um nível de rendimento que permita poupar. Esta combinação de condições ajuda a explicar o baixo nível de poupança em Portugal e em outros países que nos são próximos”, reconhece Rui Pinto.
Comentários