Tragédia em Meca faz mais de 700 mortos

Mais de 700 pessoas foram hoje mortas em Mina, perto de Meca, durante tumultos ocorridos na peregrinação anual à cidade sagrada do Islão, que mobiliza entre dois e três milhões de muçulmanos. Teme-se que o número de mortos possa aumentar, dado que há 850 feridos, segundo dados fornecidos pelo departamento de proteção civil da Arábia […]


Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 1 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Notice: Undefined offset: 2 in /var/www/vhosts/jornaleconomico.pt/httpdocs/wp-includes/media.php on line 1031

Mais de 700 pessoas foram hoje mortas em Mina, perto de Meca, durante tumultos ocorridos na peregrinação anual à cidade sagrada do Islão, que mobiliza entre dois e três milhões de muçulmanos.

Teme-se que o número de mortos possa aumentar, dado que há 850 feridos, segundo dados fornecidos pelo departamento de proteção civil da Arábia saudita.

As vítimas foram pisoteadas durante uma fuga desordenada, segundo as agências internacionais.

O acidente ocorre apenas duas semanas depois da queda de um guindaste que matou 108 peregrinos na Grande Mesquita, quando colocava os holofotes no recinto que foi alvo de obras de ampliação de forma a comportar 2,2 milhões de pessoas no interior.

OJE

 

Recomendadas

ONU pede rapidez no diálogo para acabar com o bloqueio político na Líbia

O presidente do Parlamento, Aguila Saleh Issa, e o presidente do Alto Conselho de Estado, Khaled al-Mishri, haviam concordado em reunir-se este domingo, sob os auspícios da ONU, com o único objetivo de “propor um processo para a realização de eleições [suspensas há um ano], incluindo a conclusão da base constitucional”.

Cimeira UE-Balcãs reafirma necessidade do alargamento num contexto de crise

A concessão de uma contribuição de mil milhões de euros da UE para que os seis países balcânicos enfrentem a crise energética motivada pela guerra na Ucrânia será formalizada na cimeira, e quando Bruxelas considera “essencial” a transição em direção a uma energia verde para uma futura integração no bloco comunitário.

Procuradoria-Geral do Irão anuncia fim da ‘polícia da moralidade’

O Irão vive protestos generalizados desde 16 de setembro, após a morte sob custódia policial da jovem curda Mahsa Amini, de 22 anos, que havia sido detida justamente pela polícia da moralidade por supostamente usar o véu islâmico de forma inadequada.