Trambolhão de 8% da Pharol pesa no fecho do PSI 20

Novo plano de reestruturação, apresentado pelo novo presidente da Oi, está a penalizar as ações da operadora nacional. Na Europa, o sentimento foi negativo.

O PSI 20 fechou esta quarta-feira no vermelho, penalizado pelo sentimento generalizado na Europa e pela queda drástica das ações da Pharol. Apesar de o índice de referência nacional ter começado a sessão com ganhos, inverteu a tendência a meio do dia e fechou a perder 0,27% para 5.383,69 pontos, com 11 das 18 cotadas negativas.

A principal cotada em destaque foi a Pharol, que foi “penalizada pela nova reestruturação da operadora brasileira Oi, da qual a Pharol é a maior acionista”, segundo explicou Paulo Rosa, trader da Gobulling – Banco da Carregosa, ao Jornal Económico.

“O novo plano, apresentado pelo novo presidente da Oi, Eurico Teles, vai permitir uma conversão da dívida até 75% do capital da empresa brasileira, o que pode levar a uma redução da participação acionista”, disse Rosa. As ações da Pharol perderam em Lisboa 8% para 0,287 euros, enquanto as da Oi caíram 9% na bolsa brasileira.

Ainda no vermelho fecharam a REN (1,30%), a Jerónimo Martins (1,07%), a NOS (1,06%), a Galp Energia (0,88%), a EDP (0,37%) e o BCP (0,23%).

Do lado dos ganhos, a Sonae disparou 3,63% para 1,141 euros. O trader da Gobulling – Banco da Carregosa justifica a subida com uma recomendação de compra dos títulos pela JB Capital Markets. A Navigator (1,41%), a Mota-Engil (0,70%%), os CTT (0,41%), a Sonae Capital (0,34%) e a EDP Renováveis (0,15%) também fecharam no verde.

Na Europa, o dia está a ser marcado pela expetativa em relação a uma série de reuniões de política monetária esta semana. A Reserva Federal dos Estados Unidos é a primeira, às 19 horas desta quarta-feira, enquanto o Banco Central Europeu (BCE), o Banco de Inglaterra, o Norges Bank e o Banco Nacional da Suíça têm encontros na quinta-feira.

Entre os principais índices, o Stoxx 50 recuou 0,38%, o francês CAC 40 perdeu 0,47%, o alemão DAX caiu 0,41%, o espanhol IBEX 35 desvalorizou 0,20% e o britânico FTSE 100 deslizou 0,05%.

No mercado cambial, o euro aprecia-se 0,17% para 1,1762 dólares. Na dívida, as yields das obrigações a 10 anos da Alemanha sobem 0,2 pontos base para 0.31%, as de Espanha avançam 3 pontos base para 1,49% e as de França ganham 1,8 pontos base para 0,66%.

Os juros da dívida benchmark de Portugal avançam 3,8 pontos base para 1,84%, já que a expetativa que a Fitch suba o rating da República esta sexta-feira para grau de investimento levou a um aumento da procura em mercado secundário.

Relacionadas

PSI 20 negoceia ‘flat’ em dia de quedas generalizadas na Europa

A bolsa portuguesa negoceia a ganhar ligeiramente 0,02%, para 5.398,97 pontos, impulsionado pela Sonae e Mota-Engil.

Novo plano de reestruturação da Oi pode levar Pharol a ficar só com 6,75%

Novo plano de recuperação judicial da Oi prevê a conversão de dívidas em até 75% do capital.
Recomendadas

BCP cai 5% e arrasta bolsa de Lisboa para terreno negativo numa Europa mista

“O índice nacional esteve pressionado pela queda de 5% do BCP, numa sessão onde o setor Bancário demonstrou a pior performance na Europa”, escreveu o analista do Millennium BCP, Ramiro Loureiro, na sua análise de fecho de mercados.

CMVM publica cinco decisões de contraordenação, incluindo a coima de 75 mil euros à Orey Antunes

Na base das decisões da CMVM estão três processos por violação de deveres de atuação dos auditores. O processo contra a Orey Antunes por não ter divulgado os documentos de prestação de contas anuais e um processo por violação de deveres dos intermediários financeiros.

Wall Street abre a terceira sessão da semana com perdas ligeiras

A Lyft, concorrente da Uber, é um dos títulos em destaque, depois de anunciar que congelou todas as contratações nos Estados Unidos até ao final do ano, no âmbito de um corte de custos para controlar o impacto da inflação. As ações da plataforma de transporte reagem pela positiva.
Comentários