Tranquilidade suspende venda de produtos de capitalização

A seguradora vai suspender a comercialização dos seguros do ramo Vida, os produtos de capitalização e mistos, devido devido à quebra dos juros e às novas regras para o cálculo de solvência.

Companhia de Seguros Tranquilidade

A companhia de seguros vida T-Vida, detida pelo fundo Apollo, suspendeu a venda de novos contratos de produtos financeiros e mistos (individual e grupo).

“Atendendo à atual conjuntura, caracterizada por taxas de juro muito baixas ou até negativas, novas regras para cálculo de solvência, que provocou uma queda do mercado de seguros de vida financeiros, e tendo em conta o foco comercial atual que privilegia o equipamento dos clientes em produtos de Vida Risco, Saúde e Multiriscos, a manutenção na nossa oferta de produtos financeiros deixou de ter justificação comercial e económica”, avançou a Tranquilidade num comunicado.

Os produtos que vão deixar de ser comercializados são o PPR Garantido T, o Plano Poupança Essencial – PPR, o Plano Poupança Essencial – Capitalização, o Poupança Investimento Total – PIT, o Super Protecção Jovem, o Valor Familiar, o Fidelity Poupança, o Plano Empresas Total – PET e o Tranquilidade Plano Seguro.

A seguradora anunciou, ainda, que não serão aceites mais entregas adicionais e/ou aumento do valor das entregas periódicas deste produtos.

As novas regras para o cálculo de solvência entraram em vigor este ano e definem o total de fundos próprios elegíveis para o critério conhecido como Requisito de Capital de Solvência (SCR).

 

Recomendadas

Bancos sujeitos a coimas até 1,5 milhões se não aplicarem diploma do Governo para crédito à habitação

Está já em vigor, a partir deste sábado, o diploma que estabelece medidas destinadas a mitigar os efeitos do incremento dos indexantes de referência de contratos de crédito para aquisição ou construção de habitação própria permanente. Bancos têm 45 dias a partir de hoje para aplicar as medidas.

Complemento excecional a pensionistas: SNQTB remeteu nova carta ao Primeiro-Ministro

Depois do OE2023 ter sido aprovado o Sindicato Nacional dos Quadros e Técnicos Bancários diz que “o Partido Socialista mantém a injustiça em relação aos bancários reformados que foram indevidamente excluídos da atribuição do complemento excecional a pensionistas”.

Sete bancos lucraram dois mil milhões até setembro, mais 71% do que no período homólogo

Os lucros dos sete maiores bancos – Caixa Geral de Depósitos, BCP, Novobanco, Santander Totta, BPI, Crédito Agrícola e Banco Montepio somam 2.006,3 milhões de euros até setembro deste ano, o que compara com um valor de 1.172 milhões nos nove meses do ano passado. O que significa que os lucros dos sete bancos cresceram 71,2%.
Comentários