Transição energética: o que pode fazer hoje?

A transição energética é um dos desafios mais importantes que a humanidade enfrenta neste século, e o envolvimento passa por todos. Saiba como pode ajudar.

A meta é alcançável, mas exige um esforço concertado que começa na casa de cada um. Descubra, neste artigo da autoria do ComparaJá, 6 formas práticas de começar já hoje a fazer a sua parte para facilitar a transição energética, e como a financiar.

O que é a transição energética?

A transição energética consiste na substituição gradual de fontes de energia por outras mais eficientes. O conceito parte da migração de matrizes poluentes, como combustíveis fósseis, para fontes de energia renováveis, como as hidroelétricas, eólicas, solares e de biomassas.

Considerando que a esmagadora maioria das atividades humanas se baseia no consumo de energias não renováveis, facilmente se entende que a transição energética não é um processo fácil e imediato. Requer uma mudança de paradigma mundial que altera a forma como a humanidade tem vivido até agora, para um novo estado das coisas, com um olhar mais amplo e sistémico para a sustentabilidade ambiental e social.

O conceito de transição energética não é novo na história. A humanidade já enfrentou outras grandes mudanças fundamentais, como a passagem da madeira para o carvão, e do carvão para o petróleo. Contudo, a transição energética que vivemos hoje é muito mais urgente, porque visa proteger o planeta da maior ameaça que alguma vez já enfrentou, afetando pessoas, animais e plantas.

Porque é urgente a transição energética?

Os dados são inquietantes. Da Organização Meteorológica Mundial (OMM) chegam registos doa aceleração do aquecimento global, sendo que 2019 e 2020 foram os anos mais quentes desde 1880, com tendência a intensificar-se. A velocidade do aumento da temperatura é alarmante, provocando o degelo dos glaciares, o aumento do nível do mar, desertificação, fenómenos climáticos extremos e catástrofes naturais, com danos incalculáveis.

Para superar estes desafios, os Estados-membros da União Europeia assinaram o famoso Acordo de Paris, em 2015, no qual se comprometem a manter o aquecimento global abaixo de 2 °C, de preferência a 1,5°C, em comparação com os níveis pré-industriais.

Como problema mundial que é, a transição energética só é possível se todos os países do mundo trabalharem em colaboração – e, de facto, todos os países da União Europeia ratificaram o acordo, ainda que não existam quaisquer sanções às nações que não o cumprirem.

6 dicas práticas para facilitar a transição energética

Atualmente, há cada vez mais soluções para aumentar a eficiência energética das casas. Aqui estão algumas melhorias que pode realizar para que a casa se torne mais eficiente, bem como os incentivos do Estado a que pode recorrer para as financiar. Deixamos também a indicação de alguns hábitos comportamentais a adotar para dar importantes passos sustentáveis no seu dia-a-dia.

1. Tire partido da orientação solar da sua casa

A orientação ideal de uma casa é a sul, onde devem também localizar-se as salas e as janelas maiores, e a Norte deve estar o mínimo de janelas. Depois, a nascente e a poente devem estar os estores e as portadas, de forma a controlar a entrada de energia solar. Obviamente que não pode mudar a orientação da casa, mas pode tomar algumas medidas em função desta característica.

Durante o verão, as persianas e cortinas devem estar fechadas durante o dia para evitar a entrada de calor, recomendando-se abrir as janelas à noite para arrefecer a casa. Durante o inverno, deve ser feito o oposto, obtendo-se assim condições de climatização ideais durante todo o ano. Desta forma, é mais fácil aproveitar o calor do sol para climatizar a casa, evitando o recurso ao ar-condicionado ou a aquecedores.

2. Garanta o isolamento térmico da sua casa

O isolamento térmico é essencial para a eficiência energética da casa, porque evita perda de calor e entrada de frio. Um casa bem isolada vai evitar o sobreaquecimento no verão, e garantir a retenção de calor no inverno.

Pode aumentar o isolamento térmico da sua casa recorrendo a materiais de construção isolantes. Por exemplo, considerando que o telhado ou o teto são dos locais que mais influenciam a temperatura interior, poderá colocar painéis isolantes entre a estrutura e o telhado ou, se preferir uma solução mais simples e económica, fixar rolos e painéis debaixo da estrutura.

Por outro lado, as paredes voltadas para o exterior podem ser isoladas por dentro, e este isolamento pode ainda reduzir o ruído exterior. Um dos sistemas mais utilizados é o ETICS, também conhecido como “capoto”, que utiliza várias camadas de diferentes materiais para garantir um isolamento térmico e sonoro superior.

As portas e janelas devem estar bem vedadas para não deixar entrar e sair ar. Considere substituí-las por alternativas com vidros duplos e boa fixação ou, se quiser adiar um pouco esse investimento, fitas de calafetagem e enchimentos de aplicação em fissuras. São soluções provisórias rápidas e baratas.

3. Equipe a sua casa com aparelhos de eficiência energética

Os equipamentos de maior eficiência energética podem ser mais caros, mas compensam a longo prazo na fatura mensal – principalmente se forem utilizados de forma intensiva. Assim, faça uma revisão aos aparelhos lá em casa e confirme a classificação energética de cada um. Dê especial atenção ao frigorífico, máquina de lavar roupa e máquina de lavar louça, que representam a maior fatia do consumo energético familiar mensal.

Considere substituí-los por outros mais eficientes, até mesmo para o aquecimento da água sanitária. Existem sistemas de produção de água quente, como as bombas de calor e termoacumuladores híbridos, que reduzem em mais de 50% do consumo de energia para aquecer água.

4. Considere instalar painéis solares

Os painéis solares são uma outra forma de tornar as casas mais eficientes do ponto de vista energético. É certo que requerem um investimento inicial expressivo e, por isso, podem não ser a solução ideal se mora sozinho, se não tem filhos ou se reside numa casa pequena. Contudo, os painéis solares podem ser uma boa alternativa para famílias que residam em moradias, onde os consumos energéticos são elevados. Nestes casos, podem diminuir o consumo elétrico em até 60%.

Pode instalar painéis solares térmicos, que captam a energia solar diária para aquecer a água acumulada num depósito, ou painéis solares fotovoltaicos, que convertem a luz solar em energia elétrica para ser utilizada na casa. É importante referir que o investimento inicial implicado na instalação de painéis solares é cada vez menor, uma vez que esta solução se tem vindo a tornar mais popular e comum. Para este facto contribui também a concorrência e a evolução tecnológica.

5. Utilize lâmpadas LED

Se ainda não o fez, faça-o já. Troque as lâmpadas convencionais por lâmpadas LED, uma vez que gastam muito menos e duram mais. As lâmpadas LED podem durar 25 vezes mais do que as lâmpadas incandescentes, com um tempo de vida útil a rondar as 20 e 45 mil horas de utilização. Além disso, as lâmpadas LED permitem poupar cerca de 80% de energia elétrica comparativamente às lâmpadas incandescentes.

Estes números não deixam margem para dúvidas: a utilização de lâmpadas LED deve ser uma prática comum e generalizada em todas as casas portuguesas. Todavia, não deve prescindir dos mesmos cuidados: desligar as luzes sempre que não as usar e ligar apenas quando necessário.

6. Repense as suas deslocações

Também no campo da mobilidade é possível dar importantes passos no sentido da eficiência energética. Quando o automóvel é indispensável, aposte em veículos elétricos. A maior parte das marcas estão a abandonar a produção de veículos a combustão, investindo em alternativas elétricas ou híbridas.

Esta tecnologia garante zero emissões de gases com efeito de estufa e zero emissões de matérias poluentes, ajudando a contribuir para um planeta mais limpo. Além disso, os condutores deste tipo de veículos beneficiam de menos impostos e mais incentivos, como a isenção do pagamento de Imposto Sobre Veículos (ISV) e do pagamento do Imposto Único de Circulação (IUC).

Sempre que possível, troque a utilização do carro por transportes públicos ou bicicleta. Atualmente, as cidades contam com um número cada vez maior de ciclovias, o que torna a sua utilização mais apelativa, segura e agradável. Considere também fazer deslocações a pé, até como parte da sua rotina de exercício físico diário.

Concluindo, toda a Europa está empenhada em fazer da transição energética uma prioridade. Assim, pondere dar também o seu próximo passo no sentido de uma maior eficiência, quer na sua habitação, quer nos hábitos diários.

Este é um esforço que passa pelas entidades governativas, e também pela sociedade civil, pelos cidadãos e pelas nossas casas. Com esta informação, estará preparado para começar a fazer a sua parte nesta importante e decisiva transição energética.

Relacionadas

Como fazer um orçamento familiar?

Com a inflação que se verifica, poupar está na ordem do dia. Descubra como fazer um orçamento familiar e chegar ao fim do mês com um saldo positivo.

Preço da eletricidade: sabe como é calculado?

Já se questionou para onde vai o que paga de luz? Será que é mesmo só para pagar o que consome? Explicamos como é calculado o preço da eletricidade.

Como poupar energia: 7 dicas úteis para enfrentar a subida dos preços

O preço da eletricidade está em níveis estratosféricos e não mostra sinais de abrandar. Veja como poupar energia com estas 7 dicas práticas.

Cartões de mobilidade elétrica. Saiba qual é o que melhor se adapta ao seu consumo

O site ComparaJá.pt disponibilizou um comparador de cartões de mobilidade elétrica, independente e gratuito, para todos os portugueses que tenham um carro elétrico ou híbrido.

Transição energética: conheça os incentivos do Governo para atingir a neutralidade carbónica

Para cumprir o objetivo de neutralidade carbónica até 2050, o Governo lançou um conjunto de incentivos para que consumidores e empresas se juntem ao movimento. Saiba que incentivos são esses Regina Xavier, responsável pela área de Energia do ComparaJá.pt, explica que incentivos são esses neste vídeo em parceria com o Economize.

Nove dicas para poupar água sem esforço

Poupar água é uma prioridade para o ambiente e para a carteira. Descubra como o conseguir com estas 9 dicas simples que pode implementar em casa.
Recomendadas

Saiba aqui quais são as vantagens e desvantagens da utilização de cartões de fidelização

Muitas empresas, desde hipermercados a lojas de pequeno comércio, promovem a adesão a este género de cartões de fidelização, seja com a componente de crédito, seja para pagamento imediato. Para que o consumidor não receba dissabores na vez de descontos, convém que se informe cuidadosamente e conheça os prós e os contra. 

Tem animais de estimação ou pretende adotar um amigo de quatro patas? Saiba que gastos terá de incluir no seu orçamento familiar

De uma forma geral, os custos anuais podem representar cerca de 446 euros para comida, 195 euros para cuidados de saúde, mais 224 euros para cuidados de higiene, além de outras despesas inesperadas. Sendo certo que tudo dependerá do estilo de vida do seu animal doméstico e das suas características físicas. 

O que é uma hipoteca e que cuidados deve ter?

A hipoteca pode ser uma solução para ver o seu crédito aprovado. Descubra se é vantajoso no seu caso e o que fazer, passo-a-passo.
Comentários