Transnístria pede à Moldávia e à Ucrânia que “preservem a paz”

O presidente da Transnístria, Vadim Krasnoselski, apelou às autoridades da Moldávia e da Ucrânia que “preservem a paz”, após uma série de explosões em Tiraspol, capital da região separatista moldava pró-russa.

O presidente da Transnístria, Vadim Krasnoselski, apelou às autoridades da Moldávia e da Ucrânia que “preservem a paz”, após uma série de explosões em Tiraspol, capital da região separatista moldava pró-russa.

Krasnoselski apelou ao governo da Moldávia para “não sucumbir às provocações” e não permitir que o país “seja arrastado” para uma agressão contra a Transnístria, segundo a agência russa Interfax.

O líder da Transnístria lembrou que as relações com Moldávia têm sido “pacíficas” e sublinhou a necessidade de “resolver questões vitais” para ambos os territórios, evitando “qualquer agressão que possa ser o prólogo de uma grande guerra”.

Krasnoselski apelou às autoridades ucranianas que investiguem o “movimento ilegal de certos grupos militares”, a quem acusou de serem responsáveis pelos recentes “ataques terroristas” em Tiraspol.

O presidente da Transnístria prometeu à população da região separatista que o governo “manterá a paz” e que os responsáveis pelos “atos terroristas” serão detidos.

Pelo menos três ataques foram registados no território do enclave separatista desde segunda-feira, segundo o Conselho de Segurança da Transnístria.

Na terça-feira, a Presidente da Moldávia, Maia Sandu, atribuiu os incidentes à luta entre forças internas interessadas em desestabilizar a situação na Transnístria.

“Condenamos todas as provocações e tentativas de envolver a Moldávia em ações que possam ameaçar a paz no país”, insistiu a chefe de Estado.

O conselheiro da presidência ucraniana Mikhailo Podoliak acusou a Rússia de querer “desestabilizar a Transnístria, o que sugere que a Moldávia deverá aguardar a vista de ‘convidados’”, numa referência aos soldados russos que invadiram a Ucrânia em 24 de fevereiro.

“Se a Ucrânia cair, amanhã as tropas russas estarão às portas de Chisinau”, a capital moldava, escreveu Podoliak, na rede social Twitter, apelando ao “trabalho em equipa” para que Kiev possa “garantir a segurança estratégica da região”.

A Transnístria, território de apenas meio milhão de habitantes, a maioria eslavos, cortou relações com a Moldávia após um conflito armado (1992-1993), no qual contou com ajuda russa.

Desde o fim desse conflito, que custou a vida de centenas de pessoas, a Moldávia defendeu a integração dos dois territórios divididos pelo rio Dniester, uma condição que os separatistas sempre se recusaram a aceitar.

No âmbito de um acordo assinado em 1992, a Rússia destacou 2.400 soldados na região, mas esse contingente foi reduzido ao longo dos anos.

A Rússia lançou, na madrugada de 24 de fevereiro, uma ofensiva militar na Ucrânia que já matou mais de 2.500 civis, segundo dados da Organização das Nações Unidas (ONU), que alerta para a probabilidade de o número real ser muito maior.

A guerra causou a fuga de mais de 12 milhões de pessoas, das quais mais de 5,16 milhões para fora do país, ainda de acordo com a organização.

Recomendadas

Ucrânia: Costa anuncia que Zelensky convidou Marcelo para visitar Kiev

O primeiro-ministro António Costa revelou que o chefe de Estado ucraniano, Volodymyr Zlensky, convidou o Presidente da República para realizar uma visita à Ucrânia em data ainda a acertar. Desde Timor-Leste, o Presidente apressou-se a dizer que irá.

Ucrânia: Biden aprova apoio de 40 mil milhões de dólares a Kiev

O financiamento destina-se a apoiar a Ucrânia até setembro e supera a medida de emergência anterior, que disponibilizou 13,6 mil milhões de dólares (12,9 mil milhões de euros).

Portugal enviou um milhão de euros em medicamentos à Ucrânia

Os medicamentos enviados foram doados por empresas do sector farmacêutico e também pelo ministério da Saúde. A carga inclui medicamentos oncológicos, antibióticos e preparações para injetáveis, entre outros produtos. 
Comentários