Transparência Internacional África: Luanda Leaks pode ter “efeito dominó” em outros países

A responsável da Transparência Internacional (TI) para o sul de África considerou hoje que os ‘Luanda Leaks’ estão a provocar “ondas de choque”, nomeadamente em África, admitindo um “efeito dominó” de revelação de casos semelhantes no continente.

Tiago Petinga/Lusa

“A investigação está a provocar ondas de choque não só em África, mas também na comunidade internacional, porque mostra que ninguém está imune e que os delitos supostamente secretos não o são”, adiantou, em declarações à agência Lusa, Mokgao Kupe.

A coordenadora regional da Transparência Internacional para o Sul de África disse, por outro lado, acreditar que “provavelmente a investigação terá um efeito dominó” que levará a “revelações explosivas” em outros países.

Mokgao Kupe classificou como “cruciais” as revelações da investigação ‘Luanda Leaks’ por tornarem “mais claro” o nível de corrupção que, durante duas décadas, “existiu nos setores público e privado em Angola”.

“Também expõem instituições e países fora de Angola, que facilitaram ou viabilizaram a corrupção, um ângulo interessante que por vezes não consegue passar nas investigações jornalísticas”, apontou.

Para a coordenadora da TI é, por isso, “fundamental que os facilitadores sejam responsabilizados”.

“Paraísos fiscais e países que historicamente têm boas pontuações no Índice de Perceção da Corrupção devem assegurar que pessoas e empresas implicadas na corrupção no estrangeiro são responsabilizadas e que os bens roubados são devolvidos”, disse.

Mokgao Kupe sublinhou igualmente o “importante papel” da comunicação social na recuperação de bens roubados, lembrando que muitas vezes os governos reagem apenas quando enfrentam o escrutínio dos media.

“Os relatos de corrupção alarmam os investidores e afetam o investimento direto estrangeiro quando os países não tomam medidas contra a corrupção. Reportagens sobre os efeitos da corrupção nos mais pobres sensibilizam o público e forçam os Governos a responsabilizarem-se por esses ativos”, apontou.

A coordenadora da TI para o sul de África elogiou a ação do Governo de Angola na luta contra a corrupção, mostrando-se convencida que mais pessoas serão alvo de investigações no país.

“É notável que o Governo tenha tomado medidas tão rápidas contra os suspeitos de corrupção, incluindo o antigo chefe do Serviço de Inteligência e Segurança Militar, além da Isabel dos Santos e José Filomeno dos Santos [filhos do ex-Presidente angolano José Eduardo dos Santos]”, considerou.

Mokgao Kupe recordou que qualquer caso de corrupção “envolve uma multiplicidade de indivíduos e instituições”, considerando, por isso, “altamente provável” que, com o avançar das investigações e com o aumento da cobertura mediática, “outros indivíduos venham a ser investigados”.

A responsável da TI apontou, por outro lado, o papel de Portugal e da Europa na responsabilização das instituições que facilitaram “o saque” de ativos angolanos.

“É também importante que as instituições financeiras, contabilistas, profissionais do ramo imobiliário e advogados, que muitas vezes estão fortemente envolvidos em transações envolvendo dinheiro sujo, sejam educados sobre práticas éticas”, sustentou.

O Consórcio Internacional de Jornalismo de Investigação (ICIJ) revelou no domingo mais de 715 mil ficheiros, sob o nome de ‘Luanda Leaks’, que detalham esquemas financeiros da empresária angolana Isabel dos Santos e do marido, Sindika Dokolo, que terão permitido retirar dinheiro do erário público angolano, utilizando paraísos fiscais.

As alegações da investigação foram consideradas “completamente infundadas” por Isabel dos Santos, que se afirma vítima de um ataque político e prometeu “lutar nos tribunais internacionais” para “repor a verdade”.

Relacionadas

Caixabank/BPI aponta que Sonae pode vir a repensar a sua parceria com Isabel dos Santos na NOS

As preocupações da Sonae devem-se a “questões reputacionais e a possíveis sentimentos negativos por parte dos investidores em relação à NOS devido às notícias recentes” sobre o Luanda Leaks, segundo os analistas do banco.

Presidente de Cabo Verde sobre Luanda Leaks: “Tem a ver com um país muito próximo e irmão, Angola”

As autoridades cabo-verdianas recusam comentar o caso que envolve a fortuna da empresária angolana, mas dizem que têm estado a acompanhar “com interesse” e garantem que “não tem a ver com Cabo Verde diretamente”.

Luanda Leaks: Consultora aponta que investidores podem ficar convencidos que a corrupção é generalizada em Angola

O analista da consultora Capital Economics que segue a economia de Angola disse hoje à Lusa que a divulgação dos ‘Luanda Leaks’ corre o risco de contribuir para a perceção de que a corrupção é generalizada no país.

Luanda Leaks: “O Ministério Público não deixará de analisar toda a informação que tem vindo a público”, diz PGR

O Ministério Público (MP) vai analisar todas as informações que têm sido divulgadas sobre Isabel dos Santos. Fonte oficial da Procuradoria-Geral da República (PGR) disse ao Jornal Económico que o “MP não deixará de analisar toda a informação que tem vindo a público”.

Isabel dos Santos: “Em nenhuma parte destes documentos foi demonstrado qualquer comportamento ilegal da minha parte”

Isabel dos Santos enviou um comunicado às redações acusando o Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação (ICIJ) de não ter provas contra ela e voltou a afirmar que esta campanha “é puramente política”.

Mandado de captura para Isabel dos Santos? “Se a lei permitir, utilizamos todos os meios”, admite PGR de Angola

Sobre Isabel dos Santos, Hélder Pitta Gróis coloca a hipótese de emissão de um mandado de captura em aberto: “Se no caso dela e se a lei permitir, nós utilizamos todos os meios que a lei nos permite”.
Recomendadas

‘Luanda Leaks’. CMVM fez seis comunicações à PJ e não descarta possibilidade de mais

“Estamos a fechar estes trabalhos com nove auditores analisados, em 27 entidades auditoras analisadas”, explicou Gabriela Figueiredo Dias aos jornalistas. “Foram enviados 12 processos para apreciação contraordenacional, relativamente a um auditor e há mais dois que estão em análise relativemente a outros auditores”

Sindika Dokolo, um homem entre Kinshasa e o Porto

Nasceu no Congo, viveu a juventude na Europa e casou em Angola. Pela mão de Isabel dos Santos, a sua mulher, acabaria por reconhecer em Portugal, mais propriamente no Porto, o lugar certo para fazer descansar de tantas viagens a sua enorme coleção de arte.

Morreu Sindika Dokolo, marido da empresária Isabel dos Santos

O empresário congolês encontrava-se no Dubai, onde Isabel dos Santos havia postado uma fotografia na sua conta pessoal de Instagram na tarde desta quinta-feira.
Comentários