Três dos 50 deputados no Parlamento Europeu mais influentes são portugueses

No top 50 do ranking anual, que faz uma avaliação dos deputados europeus “mais bem posicionados para influenciar a formulação das políticas da UE nos próximos anos”, estão os social-democratas José Manuel Fernandes e Paulo Rangel e o socialista Pedro Silva Pereira.

O ranking da Votewatch, relativo a 2020, nomeou três eurodeputados portugueses como os mais influentes entre os 705 deputados que compõem o Parlamento Europeu. No top 50 da avaliação anual dos deputados europeus “mais bem posicionados para influenciar a formulação das políticas europeias nos próximos anos”, estão os social-democratas José Manuel Fernandes e Paulo Rangel e o socialista Pedro Silva Pereira.

O social-democrata José Manuel Fernandes é, segundo este ranking anual, o eurodeputado português mais influente entre os 21 eurodeputados eleitos por Portugal e o sétimo no total de 705 deputados eleitos pelos 27 Estados-membros da União Europeia (UE). Apesar de no ano passado já ter sido distinguido como o eurodeputado português mais influente, este ano sobe da 44.ª posição para o 7.º lugar na lista.

Em causa está o papel de liderança nas negociações do programa investEU (conhecido como o novo “Plano Juncker”), que tem como objetivo tornar mais eficaz e flexível o financiamento da UE de projetos de investimento na Europa. Além disso, destaca-se também o seu trabalho nas negociações do Quadro Financeiro Plurianual 2014-2020 e como um dos relatores dos recursos próprios da União Europeia.

O segundo eurodeputado português mais influente é o socialista Pedro Silva Pereira, que aparece no 33.º lugar na lista. Pedro Silva Pereira foi distinguido pelo seu papel enquanto vice-presidente do Parlamento Europeu e relator de “dossiers essenciais”, como é o caso da parceria económica entre a UE e o Japão e da criação do Fundo Monetário Europeu. Foi ainda um dos responsáveis por dividir as cadeiras parlamentares pós-Brexit.

Já o eurodeputado e chefe da delegação do Partido Social Democrata (PSD) no Parlamento Europeu, Paulo Rangel, conquistou a 44.ª posição no ranking dos mais influentes. Para isso valeu-lhe o seu trabalho enquanto vice-presidente do Partido Popular Europeu (PPE) – do qual faz parte o PSD e o CDS-PP – e como relator dos progressos na Bósnia-Herzegovina no contexto da candidatura deste país à UE.

A liderar a lista de eurodeputados mais influentes está o presidente do Parlamento Europeu, David Sassoli, dada a sua “posição fundamental no próprio Parlamento”. Seguem-se a eurodeputada e presidente da Aliança Progressista dos Socialistas e Democratas (S&D), Iratxe García Pérez, e o eurodeputado Manfred Weber, presidente do PPE, que foi “Spitzenkandidaten” (candidato principal) do PPE à presidência do Parlamento Europeu.

Recomendadas

Marques Mendes: “Costa Silva recupera autoridade ou sai. O país precisa de um ministro da Economia forte”

“De um Governo com maioria absoluta, à partida um Governo forte, esperava-se unidade, coesão, determinação, energia, mobilização, espírito reformista. O que encontrámos? Exatamente o contrário”, disse este domingo o comentador da SIC.

“Há interessados em criar Zonas Livres Tecnológicas para criptomoedas”, diz secretário de Estado da Digitalização

Mário Campolargo, em entrevista ao Jornal Económico, explica os objetivos do Governo em renovar a Estratégia de Blockchain e Web3 e garante que há interesse por parte de vários ‘players’ em testar moedas virtuais nos espaços livres de constrangimentos regulatórios.

PAN defende aposta nos transportes públicos e revisão dos escalões de IRS

A porta-voz do PAN, Inês Sousa Real, defendeu, este domingo, na proposta de Orçamento do Estado para 2023 o Governo deve apostar nos transportes públicos e na revisão dos escalões de IRS, além da valorização da proteção animal. “É fundamental que no Orçamento do Estado se garanta uma maior aposta nos transportes públicos, a revisão […]
Comentários