Três milhões de passageiros com voos cancelados ou atrasados entre maio e agosto

Durante este período, em todos os aeroportos portugueses existiu algum tipo de congestionamento em voos (atrasos ou cancelamentos revela a análise da Airhelp.

Com um total de sete milhões de passageiros aéreos registados entre maio e agosto, cerca de três milhões sofreram cancelamento de voos ou atrasos, o que representa 40% do total de passageiros aéreos que voaram a partir de Portugal, revela a Airhelp.

“Novos dados da Airhelp, a maior organização do mundo especializada na defesa dos direitos dos passageiros aéreos, indicam o número de pessoas afetadas pelo cancelamento de voos nos meses de verão em Portugal”, lê-se no comunicado.

“Para além dos aeroportos de Lisboa, Porto e Faro, também no Funchal e Ponta Delgada o números de pessoas afetadas pelo cancelamento de voos é elevado”, revela a uma empresa de tecnologia que presta serviços jurídicos para passageiros de companhias aéreas.

O Guia dos Direitos dos Passageiros Aéreos, da AirHelp, “pretende informar os passageiros aéreos dos seus direitos aquando do atraso, cancelamento ou overbooking de um voo”, revela.

Os congestionamentos fizeram-se sentir de forma desigual no território português, revela a análise. Só em Lisboa, de um total de aproximadamente três milhões passageiros aéreos, cerca de 1,3 milhões sofreram algum tipo de atraso no seu voo e 80 mil viram os seus voos cancelados, refere a Airhelp. Em segundo lugar, o Porto recebeu um total de 1,8 milhões de passageiros aéreos, sendo que 610 mil sofreram atrasos no seu voo e 42 mil sofreram o cancelamento de voo. Em terceiro lugar, o aeroporto de Faro recebeu cerca de 1,5 milhões de passageiros aéreos, sendo que 425 mil sofreram atrasos no seu voo e 13 mil viram o seu voo cancelado.

“É de assinalar que, durante este período, em todos os aeroportos portugueses existiu algum tipo de congestionamento em voos (atrasos ou cancelamentos)”, destaca a Airhelp.

Recomendadas

Fitch Rating antecipa ano desastroso para o sector imobiliário

Os países que preferiram as taxas variáveis e permitiram um forte aumento do preço das casas estão especialmente vulneráveis à inflação e à queda da procura. Portugal não faz parte do estudo, mas tem tudo para fazer parte do pior cenário.

Revolut nomeia Elisabet Girvent para responsável de vendas em Espanha e Portugal

O seu objetivo passa por continuar a expandir os serviços da Revolut Business na região. A Revolut Business é o serviço bancário empresarial da Revolut. Esta solução encontra-se em funcionamento desde 2017 e foi concebida para atender às necessidades de start-ups, PME familiares e grandes empresas tecnológicas.

Noção de mercados emergentes na banca está morta, diz Mckinsey. Ásia concentra crescimento

Os bancos na Ásia-Pacífico podem ganhar com uma perspectiva macroeconómica mais forte, enquanto que os bancos europeus enfrentam uma perspectiva mais sombria. “No caso de uma longa recessão, estimamos que a rendibilidade dos bancos a nível mundial possa cair para 7% até 2026 e para baixo dos 6% nos bancos europeus”, diz a Mckinsey.
Comentários