PremiumTribunal Constitucional indefere reclamação da UNITA sobre as eleições de 24 de agosto

O Tribunal Constitucional (TC) de Angola rejeitou o recurso da UNITA e validou os resultados das eleições gerais de 24 de agosto divulgados pela Comissão Nacional Eleitoral (CNE), que deram a vitória ao MPLA, com maioria absoluta, permitindo a reeleição de João Lourenço para um segundo mandato como Presidente da República.

O Tribunal Constitucional (TC) de Angola rejeitou o recurso da UNITA e validou os resultados das eleições gerais de 24 de agosto divulgados pela Comissão Nacional Eleitoral (CNE), que deram a vitória ao MPLA, com maioria absoluta, permitindo a reeleição de João Lourenço para um segundo mandato como Presidente da República.

A UNITA pretendia a realização de uma auditoria e a correção de “medidas organizativas”, assim como a correção do apuramento dos resultados e dos mandatos distribuídos, com base na comparação dos dados oficiais com aqueles que o partido recolheu e que serviram de base ao ter reclamado publicamente a vitória nas eleições.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

‘Prime rate’ moçambicana continua a 20,6% em outubro

A taxa calculada mensalmente pela AMB e Banco de Moçambique (BM) tem por base um indexante único (calculado pelo banco central) fixado em 15,3% e um prémio de custo de 5,3% (definido pela AMB), ambos inalterados.

São Tomé/Eleições: Partidos apresentam pedido para agrupar votos antes da atribuição de mandatos

O Movimento Basta, o MDFM/UL e a UDD apresentaram ao Tribunal Constitucional um pedido de coligação e agrupamento dos votos das três candidaturas antes da atribuição definitiva dos mandatos das eleições legislativas são-tomenses de domingo, a que concorreram separados.

Cabo Verde. Governo prepara Orçamento a prever crescimento até 5% em 2023

“O ano 2023 vai ser ainda mais desafiante, além de ser muito incerto. Não obstante, temos de criar as condições que possam garantir que a economia cresça entre 4 a 5%, e continuarmos a proteger os rendimentos das famílias, proteger as empresas e os empregos”, disse Olavo Correia, que é também ministro das Finanças, antecipando a reunião do Conselho de Concertação Social, hoje, em que vai apresentar e debater a proposta de Orçamento do Estado de 2023.
Comentários