Tribunal da União anula novos limites de emissão para veículos a diesel

A Comissão Europeia decidiu fazer uma leitura muito alargada dos limites de emissão permitidos para os veículos a diesel. Madrid, Paris e Bruxelas interpuseram recurso, que foi agora aceite.

O Tribunal Geral da União Europeia (TEU) – estrutura associada ao Tribunal de Justiça da União Europeia – deu esta quinta-feira razão aos municípios de Madrid, Paris e Bruxelas num recurso contra a decisão da Comissão Europeia que estabelecia novos limites para as emissões de óxidos de azoto (NOx) por parte de veículos a diesel.

A Comissão tinha decidido aumentar os valores mínimos de emissão aos estabelecidos pela norma anterior mas o executivo comunitário, diz o Tribunal, não tem competência para modificar os tetos máximos incluídos na norma Euro 6 – que limita as emissões nos testes em condições reais de condução (testes RDE) que os veículos devem superar no âmbito do processo de aprovação.

O objetivo dos testes é conhecer o verdadeiro nível das emissões em condições reais de condução (e não em laboratório) e evitar o uso de dispositivos que manipulem os resultados, como aconteceu no escândalo do grupo Volkswagen.

Em 2016, a Comissão Europeia estabeleceu os tetos de emissão com base nos limites máximos definidos para a norma Euro 6, atribuindo-lhes coeficientes de correção para acomodar “determinadas incertezas estatísticas e técnicas”. Por exemplo, o Euro 6 definia 80 miligramas por km (80 mg/km) como limite de emissão, mas o novo teste RDE foi fixado em 168 mg/km para um período de transição, para depois ser fixado nos 120 mg/km.

Quando a Comissão decidiu esta alteração – muito substancial em termos percentuais – as câmaras de Paris, Bruxelas e Madrid interpuseram um recurso de anulação perante o tribunal luxemburguês, porque consideraram que a Comissão não podia adotar valores de emissão menos exigentes que os estabelecidos pela norma aplicável, a Euro 6.

As três cidades europeias ganharam a primeira batalha sobre as emissões de gases. Quando a Comissão avançou com os novos limites, entendeu que essa margem era justificada considerando os riscos de condução em estrada. No entanto, o tribunal não vê nisso fundamento: “mesmo admitindo que certas limitações técnicas possam justificar uma certa adaptação, com uma diferença como a que resulta do regulamento impugnado, é impossível determinar se a norma Euro 6 é respeitada nos testes”.

A questão das emissões resultou numa verdadeira guerra entre os reguladores e os construtores automóveis, com estes últimos a afirmarem que os limites são excessivos e que têm dificuldades em, do ponto de vista técnico, os conseguirem cumprir. Os consumidores também são parte lesada: os chamados filtros de partículas que foram incorporados nos automóveis a diesel a partir de 2007 tendem a ser uma verdadeira dor de cabeça para os donos dos veículos – principalmente daqueles que têm utilizações principalmente citadinas.

Recomendadas

Filhos de José Eduardo dos Santos não vão contestar arquivamento do processo

Os filhos do ex-Presidente de Angola não vão contestar o arquivamento, pela justiça espanhola, da investigação sobre a morte do pai, disseram hoje à Lusa os advogados que os representam.

Cabo-verdianos “exaustos” de sacrifícios e à espera de “boas novas” no Orçamento

O presidente do Partido Africano da Independência de Cabo Verde (PAICV, oposição), Rui Semedo, avisou hoje o Governo que os cabo-verdianos estão “exaustos” de sacrifícios e que esperam “boas novas” da proposta de Orçamento do Estado para 2023.

Moçambique. Perto de um milhão de pessoas fugiram à violência nos últimos cinco anos

O Alto-Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) estimou hoje que perto de um milhão de pessoas tenham fugido às incursões armadas de rebeldes no norte de Moçambique nos últimos cinco anos.
Comentários