Tribunal determina abertura de novo concurso para projeto da prisão de Ponta Delgada

No processo é referido que ao concurso “apenas se candidataram três empresas e apenas uma proposta se qualificou, sendo que, a final, foi também excluída”, devido a uma diferenciação entre engenheiros e engenheiros técnicos, que o tribunal considerou errada devido à equiparação prevista numa lei de 2009.

Ponta Delgada, Açores

O Tribunal Central Administrativo do Sul determinou que o Instituto de Gestão Financeira e Equipamentos da Justiça terá de aprovar novo concurso para o projeto do Estabelecimento Prisional de Ponta Delgada, segundo o acórdão a que a Lusa teve acesso.

Na decisão judicial, os juízes da secção do contencioso administrativo referem que o Instituto de Gestão Financeira e Equipamentos da Justiça (IGFEJ), que lançou em 2020 o concurso para o projeto, terá de “aprovar novas peças do procedimento, expurgadas das ilegalidades apontadas” e “praticar todos os atos subsequentes no âmbito do mesmo”.

O IGFEJ gere os recursos financeiros, patrimoniais e tecnológicos do Ministério da Justiça e o acórdão, com a data de 05 de maio, surge na sequência do recurso interposto por uma das empresas concorrentes.

“Assim, no caso, o conteúdo concreto da presente decisão terá inevitáveis repercussões nos deveres que dela dimanam para a recorrida, condicionando determinantemente os poderes de reinstrução do procedimento, uma vez que impede que sejam repetidas as invalidades detetadas”, lê-se no acórdão.

No documento, os juízes decidem ainda “anular o ato que determinou a exclusão da proposta” da empresa que recorreu, “a decisão de não adjudicação e, no mesmo âmbito, a revogação da decisão de contratar, no âmbito do procedimento em apreço”.

No processo é referido que ao concurso “apenas se candidataram três empresas e apenas uma proposta se qualificou, sendo que, a final, foi também excluída”, devido a uma diferenciação entre engenheiros e engenheiros técnicos, que o tribunal considerou errada devido à equiparação prevista numa lei de 2009.

O projeto do novo Estabelecimento Prisional de Ponta Delgada foi apresentado em novembro de 2018 pela então secretária de Estado Adjunta e da Justiça, Helena Mesquita Ribeiro, como tendo capacidade para 400 reclusos.

O novo equipamento, a construir na Mata das Feiticeiras, no concelho de Lagoa, num terreno cedido pelo Governo dos Açores ao Estado, deveria substituir o atual Estabelecimento Prisional, localizado na cidade de Ponta Delgada e com problemas de sobrelotação.

A Lusa contactou a tutela, mas não obteve resposta até ao momento.

Em maio de 2021, ao Diário de Notícias, secretário de Estado Adjunto e da Justiça Mário Morgado indicava que estava já “a ser removida a bagacina [pedra vulcânica] para preparar o terreno e a decorrer o concurso para o projeto de arquitetura da nova penitenciária”, cuja conclusão apontava então para 2027.

Recomendadas

Tribunal admite questionar Tribunal de Justiça europeu no processo de coima de 48 milhões à EDP

O Tribunal da Concorrência admite suspender o julgamento do recurso da EDP Produção à coima de 48 milhões de euros por abuso de posição dominante, para que o Tribunal de Justiça da União Europeia se pronuncie sobre algumas questões.

Operação Marquês. Juíza da Relação declara-se impedida de apreciar recurso de Sócrates

A juíza desembargadora Margarida Vieira de Almeida declarou-se impedida de analisar um recurso da defesa do ex-primeiro-ministro José Sócrates no Tribunal da Relação de Lisboa (TRL), por ter participado em decisões anteriores ligadas ao processo Operação Marquês.

Major Lussati transferia dinheiro de Angola através de sócio português, empresa nega ilegalidades

O major Pedro Lussati, principal arguido de um esquema fraudulento envolvendo militares da Casa de Segurança do Presidente angolano, transferia alegadamente dinheiro para Portugal através de empresas do grupo Irmãos Chaves, segundo a acusação do Ministério Público.
Comentários